‘Corrupto’ e ‘cheiro de enxofre’: procurador enfrenta protesto em voo da Gol

A colunista Mônica Bergamo informa que o procurador da Lava-Jato Carlos Fernando dos Santos Lima um amargo dia de caça nesta semana, num voo da Gol; um dos passageiros passou próximo a ele disse “que cheiro de enxofre!”; após isso, o corredor do avião foi tomado por gritos de “corrupto” e “Lula Livre”; passageiros também perguntara em tom de interpelação “quando ele pediria a prisão de “um tucano”; um dos comissários de bordo pediu silêncio

Procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima durante entrevista à Reuters em Curitiba 15/03/2017 REUTERS/Rodolfo Buhrer
Procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima durante entrevista à Reuters em Curitiba 15/03/2017 REUTERS/Rodolfo Buhrer (Foto: Gustavo Conde)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A colunista Mônica Bergamo informa que o procurador da Lava-Jato Carlos Fernando dos Santos Lima um amargo dia de caça nesta semana, num voo da Gol. Um dos passageiros passou próximo a ele disse “que cheiro de enxofre!”. Após isso, o corredor do avião foi tomado por gritos de “corrupto” e “Lula Livre”. Passageiros também perguntara em tom de interpelação “quando ele pediria a prisão de “um tucano”. Um dos comissários de bordo pediu silêncio.

“O procurador, por meio de assessoria, confirma que estava no avião e afirma que, quando estava mudando de assento, “surgiram alguns aplausos e vaias”, de apoiadores e críticos. Credita as manifestações ao fato de muitos passageiros terem viajado a Curitiba pra o 1º de Maio.”

Leia a coluna da jornalista aqui.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247