Datena detona corte no salário mínimo por Temer

"Isso é uma calamidade, um tapa na cara da sociedade", disse o apresentador, que apoiou o golpe contra Dilma Rousseff, que colocou Michel Temer no poder; "Fiquem mexendo com a boiada, que quando a boiada estourar em cima de vocês eu vou adorar ver um monte de bandido eleito sendo pisoteado pelo povo", disse ele; "Vocês deveriam ser executados em praça pública", disse; assista

"Isso é uma calamidade, um tapa na cara da sociedade", disse o apresentador, que apoiou o golpe contra Dilma Rousseff, que colocou Michel Temer no poder; "Fiquem mexendo com a boiada, que quando a boiada estourar em cima de vocês eu vou adorar ver um monte de bandido eleito sendo pisoteado pelo povo", disse ele; "Vocês deveriam ser executados em praça pública", disse; assista
"Isso é uma calamidade, um tapa na cara da sociedade", disse o apresentador, que apoiou o golpe contra Dilma Rousseff, que colocou Michel Temer no poder; "Fiquem mexendo com a boiada, que quando a boiada estourar em cima de vocês eu vou adorar ver um monte de bandido eleito sendo pisoteado pelo povo", disse ele; "Vocês deveriam ser executados em praça pública", disse; assista (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Revoltado, o jornalista Datena disparou críticas e xingamentos contra a equipe do governo Temer - que ele apoiou durante o processo de impeachment de Dilma Rousseff - por ter anunciado o corte de R$ 10 no salário mínimo.

"Isso é uma calamidade, um tapa na cara da sociedade", disse o apresentador do programa Brasil Urgente, da TV Bandeirantes. "Vocês deveriam ter um mínimo de vergonha na cara", gritou. "Esses políticos não têm mais limite da vergonha na cara", completou.

"Fiquem mexendo com a boiada, que quando a boiada estourar em cima de vocês eu vou adorar ver um monte de bandido eleito sendo pisoteado pelo povo", disse ainda Datena, que também criticou a reformam da Previdência, enquanto políticos "usam jatinhos" pelo País.

"Vocês deveriam ser executados em praça pública", finalizou. Assista acima.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247