Demétrio Magnoli dá a bola fora do século na Folha

Em sua coluna publicada neste sábado, sociólogo previu que não teria acordo na conferência da OMC em Bali; "Consumou-se o desastre", disse, prevendo erroneamente o "colapso da Rodada Doha"; no entanto, organização presidida pelo brasileiro Roberto Azevêdo chegou a um consenso nesta madrugada

www.brasil247.com - Em sua coluna publicada neste sábado, sociólogo previu que não teria acordo na conferência da OMC em Bali; "Consumou-se o desastre", disse, prevendo erroneamente o "colapso da Rodada Doha"; no entanto, organização presidida pelo brasileiro Roberto Azevêdo chegou a um consenso nesta madrugada
Em sua coluna publicada neste sábado, sociólogo previu que não teria acordo na conferência da OMC em Bali; "Consumou-se o desastre", disse, prevendo erroneamente o "colapso da Rodada Doha"; no entanto, organização presidida pelo brasileiro Roberto Azevêdo chegou a um consenso nesta madrugada (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O sociólogo Demétrio Magnoli deu a bola fora do século em sua coluna da Folha de S.Paulo deste sábado 7. Erroneamente, ele previu que não haveria acordo durante conferência da Organização Mundial do Comércio (OMC) que acontece em Bali, na Indonésia. "Consumou-se o desastre", disse, citando o "colapso da Rodada Doha". No entanto, os ministros chegaram a um consenso nesta madrugada, fechando um acordo histórico, o primeiro do comércio global em 20 anos.

"Com o colapso da Rodada Doha, deflagrada há 12 anos, o multilateralismo globalista cede lugar aos acordos regionais, enquanto a OMC é reduzida à condição de ente vestigial: um tribunal de contenciosos comerciais. O fracasso atinge em cheio o Brasil, evidenciando uma sequência de erros de política externa causados pela subordinação do interesse nacional ao imperativo da ideologia", escreve Magnoli, acrescentando que "não faltaram alertas".

Magnoli conclui sua análise trágica sobre o cenário que não se concretizou falando sobre "o mito da Ilha-Brasil". Segundo ele, o Império do Brasil, invocando as aventuras dos bandeirantes, "sustentou a ideia de que o território nacional constitui uma "ilha" na América do Sul, delimitada por fronteiras naturais que estariam apoiadas no traçado das redes hidrográficas". Hoje, finaliza o colunista, a noção da Ilha-Continente ressurge na forma de uma muralha anacrônica que nos isola dos fluxos da globalização".

Leia a íntegra do artigo aqui

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email