“É muito barato matar um jornalista”

Declaração é do presidente da Federação Internacional dos Jornalistas (IFJ), Jim Boumelha, que comentou o número de jornalistas assassinados em 2012; entidade divulgou relatório com o nome dos 121 profissionais mortos ao longo do ano; o Brasil ocupa a quinta posição, com seis mortes, à frente de Iraque e Afeganistão

“É muito barato matar um jornalista”
“É muito barato matar um jornalista”
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Comunique-se - Em entrevista publicada na Folha de S. Paulo desta quinta-feira, 10, o presidente da Federação Internacional dos Jornalistas (IFJ), Jim Boumelha, comentou o número de jornalistas assassinados em 2012. A entidade divulgou um relatório com o nome dos 121 profissionais e com um ranking de países por caso. O Brasil ocupa a quinta posição, com seis mortes, à frente de países que passaram por guerras, como Iraque a Afeganistão.

No topo da lista estão Síria (35 casos) e Somália (18), que vivem conflitos armados. "As pessoas acham que a maioria das mortes acontece nas coberturas de guerra, mas a maior parte é fruto de perseguição a profissionais que estão fazendo reportagens nos lugares em que costumam trabalhar no seu dia a dia. Esta tem sido a melhor forma de silenciar um jornal ou interromper uma série de reportagens investigativas. Muitas vezes, os alvos não são famosos. Por isso, os crimes acontecem e muita gente nem se lembra dos nomes das vítimas", diz Boumelha.

No Brasil, as seis vítimas foram o jornalista Eduardo Carvalho, do Última Hora News (MS); Valério Luiz, da rádio Jornal 820 (GO); o blogueiro Décio Sá (MA); Paulo Roberto Cardoso Rodrigues, do Jornal da Praça (MS); Mário Randolfo Marques Lopes, do "Vassouras na Net (RJ); e Laécio de Souza, da Sucesso FM (BA).

"É muito barato matar um jornalista hoje no mundo", continua Boumelha, falando da impunidade para crimes como estes. Para ele, os governos precisam atuar para impedir as mortes e Organização das Nações Unidas tem que tomar medidas para reforçar a segurança dos profissionais durante a cobertura de conflitos.

Assassinato em 2013
O jornalista Renato Machado Gonçalves, de 41 anos, foi morto a tiros na noite dessa terça-feira, 8, em São João da Barra, no norte fluminense. Ele foi a primeira vítima do continente americano em 2013, segundo a organização Repórteres sem Fronteiras.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email