Economist sobre Marina: "Há muito pouca substância"

Revista britânica The Economist traz editorial com críticas à candidatura de Marina Silva (PSB) à Presidência da República; a publicação defende que Marina tem de "fazer mais para provar que merece" o Palácio do Planalto; "Marina Silva ainda tem de dizer mais sobre como exatamente uma pessoa relativamente estranha iria governar o Brasil. No momento, há muito pouca substância e muita conversa sonhadora sobre 'nova política'", diz o texto

Revista britânica The Economist traz editorial com críticas à candidatura de Marina Silva (PSB) à Presidência da República; a publicação defende que Marina tem de "fazer mais para provar que merece" o Palácio do Planalto; "Marina Silva ainda tem de dizer mais sobre como exatamente uma pessoa relativamente estranha iria governar o Brasil. No momento, há muito pouca substância e muita conversa sonhadora sobre 'nova política'", diz o texto
Revista britânica The Economist traz editorial com críticas à candidatura de Marina Silva (PSB) à Presidência da República; a publicação defende que Marina tem de "fazer mais para provar que merece" o Palácio do Planalto; "Marina Silva ainda tem de dizer mais sobre como exatamente uma pessoa relativamente estranha iria governar o Brasil. No momento, há muito pouca substância e muita conversa sonhadora sobre 'nova política'", diz o texto (Foto: Valter Lima)

247- A revista britânica The Economist traz editorial com críticas à candidatura de Marina Silva (PSB) à Presidência da República. No texto, a publicação defende que Marina tem de "fazer mais para provar que merece" o Palácio do Planalto. A Economist diz que "há pouca substância e muita conversa sonhadora sobre a 'nova política'" no discurso da ex-ministra. A The Economist dá amplo espaço a Marina Silva na edição impressa que chega às bancas neste fim de semana. Além do editorial, há uma reportagem sobre o avanço da ex-ministra.

"Marina Silva ainda tem de dizer mais sobre como exatamente uma pessoa relativamente estranha (outsider, em inglês) iria governar o Brasil. No momento, há muito pouca substância e muita conversa sonhadora sobre 'nova política'", diz o editorial. "No final, os eleitores do Brasil têm de fazer uma escolha entre ficar entre a Rousseff sem brilho, o Aécio amigável aos negócios ou apostar na emocionante, mas obscura Marina Silva", diz o editorial.

Para a Economist, Marina precisa superar "duas preocupações". "A primeira é a reputação de intransigência que tornaria difícil administrar o Brasil, onde o multipartidarismo é a norma", diz o texto, ao lembrar que a candidata deixou o governo de Luiz Inácio Lula da Silva por oposição em relação a algumas políticas ambientais. "Sua fé pentecostal faz com que ela não seja liberal em algumas áreas", completa o texto, ao citar a questão dos direitos civis dos homossexuais.

A outra preocupação da Economist é a experiência. "Dilma Rousseff já é presidente e Aécio Neves governou bem o Estado de Minas Gerais durante anos. Há pontos de interrogação sobre o fracasso de Marina Silva em registrar seu próprio partido político a tempo da campanha presidencial", cita o editorial. "Ela sabe pouco sobre economia." A revista reconhece, porém, que a experiência tem benefícios questionáveis. "Dilma era considerada uma gestora competente antes de assumir o cargo, mas sua interferência ajudou empurrar o Brasil para a recessão", diz o editorial.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247