Em balanço da Lava Jato, Fachin faz sua declaração mais dura: 'Juiz não condena nem absolve por discricionarismos pessoais'

Em balanço da Lava Jato, Fachin afirmou: "juiz não investiga, nem acusa. Juiz não assume protagonismo retórico da acusação nem da defesa. Não carimba denúncia nem se seduz por argumentos de ocasião. Juiz não condena nem absolve por discricionarismos pessoais"

(Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF (03/09/2019))
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Edson Fachin, disse, durante uma palestra em Santa Catarina, nesta sexta-feira (20),  que “juiz não investiga, nem acusa". Ele apresentou o balanço da Operação e defender a imparcialidade nas investigações.

A reportagem do jornal GGN destaca que "a declaração ocorre no ápice da perda de credibilidade da Operação Lava Jato, após mensagens entre procuradores, membros da força-tarefa e o ex-juiz de primeira instância Sergio Moro, que revelam a parcialidade na condução dos casos, serem divulgadas pelo The Intercept Brasil, em parceria com outros jornais do país."

Fachin disse: "juiz não investiga, nem acusa. Juiz não assume protagonismo retórico da acusação nem da defesa. Não carimba denúncia nem se seduz por argumentos de ocasião. Juiz não condena nem absolve por discricionarismos pessoais."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247