Estadão está à venda, mas não há comprador

Jornal comandado por Francisco Mesquita Neto entregou um mandato ao banco Itaú-BBA, de Roberto Setubal, para encontrar alguém disposto a comprá-lo; foi oferecido ao Globo, de João Roberto Marinho, que rejeitou a oferta; no passado, Otávio Frias Filho, da Folha, cogitou adquirir o Estadão para fechá-lo e deixar de dividir o mercado anunciante de São Paulo; hoje está convencido de que pode "roubar" seus leitores com uma guinada editorial à direita

Jornal comandado por Francisco Mesquita Neto entregou um mandato ao banco Itaú-BBA, de Roberto Setubal, para encontrar alguém disposto a comprá-lo; foi oferecido ao Globo, de João Roberto Marinho, que rejeitou a oferta; no passado, Otávio Frias Filho, da Folha, cogitou adquirir o Estadão para fechá-lo e deixar de dividir o mercado anunciante de São Paulo; hoje está convencido de que pode "roubar" seus leitores com uma guinada editorial à direita
Jornal comandado por Francisco Mesquita Neto entregou um mandato ao banco Itaú-BBA, de Roberto Setubal, para encontrar alguém disposto a comprá-lo; foi oferecido ao Globo, de João Roberto Marinho, que rejeitou a oferta; no passado, Otávio Frias Filho, da Folha, cogitou adquirir o Estadão para fechá-lo e deixar de dividir o mercado anunciante de São Paulo; hoje está convencido de que pode "roubar" seus leitores com uma guinada editorial à direita (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - A exata medida da crise da imprensa brasileira está colocada numa nota publicada neste fim de semana na coluna Radar. Trata da possível venda do jornal Estado de S. Paulo. Diz o texto:

IMPRENSA

Marca de peso

O Itaú BBA tem em mãos um mandato para vender O Estado de S. Paulo. As Organizações Globo foram sondadas. Não se interessaram.

PUBLICIDADE

Mais do que estar sendo vendido, o jornal centenário, hoje comandado por Francisco Mesquita Neto, passa o vexame de não atrair interessados. Reflexo do que ocorre na mídia no inteiro. Recentemente, o Boston Globe, que havia sido adquirido pelo The New York Times por mais de US$ 1 bilhão, foi vendido por apenas US$ 70 milhões – o que significa que, a cada dia, jornais impressos perdem valor.

Pode ser que o Itaú encontre um comprador para o Estadão, mas a missão não é simples. Dois anos atrás, outro banco, o BTG Pactual, de André Esteves, também tentou costurar uma saída para o grupo, altamente endividado e já na quinta geração familiar.  

PUBLICIDADE

A ideia de Esteves era oferecer o Estadão à Folha de S. Paulo, de Otávio Frias Filho, para que o jornal dos Mesquita fosse fechado – assim, o mercado anunciante de São Paulo não seria mais dividido entre dois grandes veículos de comunicação. No entanto, a operação também não avançou.

Hoje, em vez de comprar o Estadão, a Folha parece disposta a "roubar" os seus leitores. É isso o que explica a recente guinada conservadora do jornal, que contratou colunistas como Demétrio Magnoli e Reinaldo Azevedo. Pesquisas internas do grupo Folha apontam um dado desesperador para o grupo: praticamente não existem leitores de jornais com menos de trinta anos, uma vez que os jovens se informam pela internet e pelas redes sociais. Diante da constatação de que não haverá leitores para jornais impressos no futuro, o que a Folha tem buscado é, simplesmente, competir pelos já existentes e que, hoje, assinam ou compram o Estadão.

PUBLICIDADE


O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email