Facebook decide etiquetar conteúdos de veículos de comunicação da Rússia e da China

A rede social também planeja bloquear publicações das mídias etiquetadas para o público americano, especialmente no contexto das eleições presidenciais deste ano

(Foto: REUTERS/Erin Scott)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - Após Facebook etiquetar mídias russas e chinesas, editora-chefe da Sputnik, Margarita Simonyan, declarou que mídias estrangeiras praticam censura na Rússia.

No último dia 4, o Facebook começou a etiquetar contas de meios de comunicação públicos, incluindo a agência russa Sputnik, a agência chinesa Xinhua News e o canal iraniano Press TV.

Segundo a empresa, a medida seria uma forma de "prover mais transparência em torno a estes meios porque combinam a influência de um meio de comunicação com o respaldo estratégico de um Estado".

Desta forma, as etiquetas passarão a estar visíveis para usuários da rede social no mundo todo.

Meios estrangeiros e censura

Comentando o episódio para a rádio Govorit Moskva, a editora-chefe da Sputnik, Margarita Simonyan, declarou: "Elas [as mídias estrangeiras] praticam a censura americana em nosso país, e nós olhamos para isso com os olhos meio ou totalmente fechados [...] Nós precisamos tomar medidas recíprocas, tal como gostamos de fazer na política externa."

Ainda de acordo com Simonyan, a decisão do Facebook seria uma forma de combater mídias que a rede social considera "agentes estrangeiros".

Em tom de reciprocidade, a jornalista afirmou que a Rússia "deverá lutar contra os meios de comunicação que considera agentes estrangeiros".

"Nós temos uma constituição onde, afinal de contas, está escrito que a censura é proibida", acrescentou Simonyan. Apesar de a medida poder englobar centenas de organizações midiáticas, de acordo com o Facebook, meios estatais como a britânica BBC, a alemã Deutsche Welle e a francesa AFP não deverão receber etiquetas, devido aos critérios tomados pela própria rede social.

A razão disso seria a suposta verificação do Facebook para assegurar que tais mídias europeias e americanas gozam de total independência editorial, apesar de serem públicas.

Bloqueios e 'censura política ideológica'

O Facebook também planeja bloquear publicações das mídias etiquetadas para o público americano, especialmente no contexto das eleições presidenciais por vir.

Falando sobre o assunto com a Sputnik Mundo, a presidente da Federação Nacional de Jornalistas do Brasil (Fenaj), Maria José Braga, disse:

"O Facebook é uma empresa privada e não tem a prerrogativa de ditar o que é verdade e o que não é verdade, ou o que é ou não é influente." Ainda de acordo com Braga, a política do Facebook constitui "uma censura política ideológica" que recai, precisamente, sobre meios de países como Rússia e China.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247