Fernando Brito: ações de procuradores não são apenas antiética, são criminosas

O jornalista Fernando Brito considera que Thamea Danelon, ex-coordenadora da Lava Jato em São Paulo, e o procurador Deltan Dallagnol, que dispuseram-se a ser consultores para fazer a minuta de um pedido de impeachment de Gilmar Mendes, são "antiéticos" e "criminosos"

Thaméa Danelon e Deltan Dallagnol
Thaméa Danelon e Deltan Dallagnol (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, no Tijolaço - Thamea Danelon, ex-coordenadora da Lava Jato em São Paulo, e Deltan Dallagnol, coordenador da operação em Curitiba, dispuseram-se a ser consultores para fazer a minuta de um pedido de impeachment de Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal, apresentada pelo advogado Modesto Carvalhosa.

Não é preciso dizer que, além de não serem parte legítima para fazer isso, a competência para agir contra ministros do Supremo é exclusiva do Procurador Geral da República.

Não é apenas antiético, é criminoso, porque Carvalhosa é advogado dos acionistas minoritários da Petrobras, que podem se beneficiar pecuniariamente dos processos da Lava Jato, cuidados do Danelon e Dallagnol.

Mais grave ainda que a procuradora Danelon foi mencionada pelo provável Procurador Geral da República, Augusto Aras, como possível coordenador nacional da Lava Jato.

Nomeação que, se houver lógica, não acontecerá, pois seria uma afronta ao STF.

Como será uma ofensa que o Conselho Nacional do Ministério Público continue protelando as punições administrativas a Dallagnol, como vem fazendo.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email