Fernando Brito: nova prisão de Garotinho mostra juízes com ‘causa pessoal’

"O juiz que mandou prender Garotinho há um ano, mandou prendê-lo de novo. Como da outra vez, parece ser uma prisão a ser revogada, em poucos dias, pelos tribunais superiores", avalia o editor do Tijolaço sobre a prisão do ex-governador do Rio; "Vai ficando claro que muitos juízes abandonaram o papel de equilíbrio e segurança nas decisões para entregarem-se ao que minha avó chamaria 'tomar pinimba' do réu. Se mandarem soltar, arranja-se uma razão para prender de novo. E, quem sabe, de novo e de novo"

Ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho ao lado de sua mulher, Rosinha Garotinho, no Rio de Janeiro 10/05/2006 REUTERS/Sergio Moraes
Ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho ao lado de sua mulher, Rosinha Garotinho, no Rio de Janeiro 10/05/2006 REUTERS/Sergio Moraes (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, do Tijolaço - O juiz que mandou prender Garotinho há um ano, mandou prendê-lo de novo.

Como da outra vez, parece ser uma prisão a ser revogada, em poucos dias, pelos tribunais superiores.

Vai ficando claro que muitos juízes abandonaram o papel de equilíbrio e segurança nas decisões para entregarem-se ao que minha avó chamaria “tomar pinimba” do réu.

Se mandarem soltar, arranja-se uma razão para prender de novo. E, quem sabe, de novo e de novo.

As razões legais são menores que as “convicções pessoais”  e o convencimento do juiz acontece muito antes da sentença, porque baseado na sua soberana “cognição sumária”.

Tudo, claro, como na boa e velha Idade Média, com o povo “apreciando” o desfile dos prisioneiros nas carroças – agora caminhonetes.

A criação, com Sérgio Moro, do Deus-Juiz levou a este espetáculo de degradação do Judiciário, ajudada pela  crescente assunção de  uma “ideologia do Judiciário”, moralista (sem deixar de ser seletiva, como os moralistas são) e elitista.

O protagonismo do Judiciário é, com o tempo, a ferramenta de sua degradação.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247