Folha diz que há "grave suspeita" sobre governo Bolsonaro no caso Covaxin

O jornal paulista vê "suspeitas quanto à lisura do processo, em particular na compra do imunizante indiano Covaxin"

Deputado Luís Miranda, o Planalto e a Covaxin
Deputado Luís Miranda, o Planalto e a Covaxin (Foto: Najara Araújo/Câmara dos Deputados | Reuters | Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "Como se não fosse desastrosa o bastante a atuação do governo Jair Bolsonaro na busca de vacinas contra a Covid-19, às evidências de incúria somam-se agora suspeitas quanto à lisura do processo, em particular na compra do imunizante indiano Covaxin", escreve a Folha de S.Paulo em editorial desta quinta-feira (24).

O jornal destaca que o imunizante indiano é o mais caro dos seis que o Executivo federal contratou e só foi aprovado pela Anvisa no último dia 4, após uma rejeição e com ressalvas de uso.

"Outro detalhe inquietante" é que a vacina indiana, "ao contrário de todas as outras vacinas compradas pelo Brasil, que foram negociadas diretamente com o laboratório, foi adquirida por meio de um representante, a Precisa Medicamentos".

PUBLICIDADE

"Pior, o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF), irmão de Luís Ricardo, diz que alertou, em 20 de março, o próprio presidente acerca dos indícios de irregularidades".

Confira a íntegra

PUBLICIDADE

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE

Apoie o 247

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email