Gaspari diz que Temer já opera com a lógica de um bunker

 "O ministro da Defesa, Raul Jungmann, teve toda razão quando disse que havia uma "baderna" na Esplanada dos Ministérios, com a vandalização de prédios públicos. Infelizmente, não era a única. Era a mais visível e predatória, mas nem era mais perigosa. A baderna de um governo sitiado foi pior, indicando que o palácio de Temer começa a funcionar com a lógica do bunker", escreve o jornalista Elio Gaspari

Gaspari
Gaspari (Foto: Giuliana Miranda)

247 - Em sua coluna neste domingo, o jornalista Elio Gaspari criticou o posicionamento do governo de Michel Temer diante da atual crise.

"O ministro da Defesa, Raul Jungmann, teve toda razão quando disse que havia uma "baderna" na Esplanada dos Ministérios, com a vandalização de prédios públicos. Infelizmente, não era a única. Era a mais visível e predatória, mas nem era mais perigosa.

A baderna de um governo sitiado foi pior, indicando que o palácio de Temer começa a funcionar com a lógica do bunker. Isso aconteceu com o de Dilma e deu no que deu. O maior bunker de todos os tempos foi o de Hitler. Em maio de 1945, com os russos a poucos quarteirões, a cúpula nazista lutava pelo poder, até que Martin Bormann triunfou, recebeu o testamento do Führer e foi para a rua. Andou um pouco e tomou um tiro.

Na tarde de quarta-feira (24),  Michel Temer assinou um decreto autorizando o uso das Forças Armadas para manter a ordem na capital. Jungmann disse que a medida havia sido pedida pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Falso, retrucou Maia. Ele pedira o uso da Força Nacional de Segurança. Baderna nº 1, o Legislativo pede uma coisa e o Executivo entrega outra.

Jungmann explicou que chamara a tropa do Exército porque só havia 150 homens da Força Nacional em Brasília. Baderna nº 2, não havia a tropa especifica na capital, apesar da tensão em que estava o país. Jungmann disse que botou a tropa na rua porque a Polícia Militar de Brasília perdeu o controle da situação diante da ação de mascarados. Eram 250. Baderna nº 3, pois o efetivo da PM é de 13 mil homens, a capital tem um dos melhores índices de policiamento, a Esplanada dos Ministérios é a vitrine da cidade e o governador não foi consultado. No dia seguinte, o decreto foi revogado.

Em março de 2016, quando o deputado Raul Jungmann estava na oposição a Dilma Rousseff e integrava o "estado-maior informal do impeachment", ele comentou as informações de que havia conversas de militares com políticos, advertindo que "se a política não resolver a crise, a crise vai resolver a política". Sabe-se lá o que isso queria dizer."

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247