Geddel já virou bambu?, questiona Tijolaço

O jornalista Fernando Brito se pergunta se o ex-ministro Geddel Vieira Lima já seria munição para uma flechada de última hora de Rodrigo Janot; "Como previsibilidade, lealdade, decoro e discrição são palavras obsoletas em matéria de Justiça, hoje, gloriosamente substituídas por surpresa, armação, espalhafato e holofotes, não é impossível que ainda haja bambus sendo apontados dentro da Procuradoria Geral da República para o 'último dia em cartaz' de Rodrigo Janot", afirma

O jornalista Fernando Brito se pergunta se o ex-ministro Geddel Vieira Lima já seria munição para uma flechada de última hora de Rodrigo Janot; "Como previsibilidade, lealdade, decoro e discrição são palavras obsoletas em matéria de Justiça, hoje, gloriosamente substituídas por surpresa, armação, espalhafato e holofotes, não é impossível que ainda haja bambus sendo apontados dentro da Procuradoria Geral da República para o 'último dia em cartaz' de Rodrigo Janot", afirma
O jornalista Fernando Brito se pergunta se o ex-ministro Geddel Vieira Lima já seria munição para uma flechada de última hora de Rodrigo Janot; "Como previsibilidade, lealdade, decoro e discrição são palavras obsoletas em matéria de Justiça, hoje, gloriosamente substituídas por surpresa, armação, espalhafato e holofotes, não é impossível que ainda haja bambus sendo apontados dentro da Procuradoria Geral da República para o 'último dia em cartaz' de Rodrigo Janot", afirma (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, do Tijolaço - Como previsibilidade, lealdade, decoro e discrição são palavras obsoletas em matéria de Justiça, hoje, gloriosamente substituídas por surpresa, armação, espalhafato e holofotes, não é impossível que ainda haja bambus sendo apontados dentro da Procuradoria Geral da República para o “último dia em cartaz” de Rodrigo Janot.

E as atenções se voltam para Geddel Vieira Lima, sem dúvidas o mais encrencado dos “porquinhos” no chiqueiro palaciano descrito na denúncia moldada ontem com a lama trazida por Lúcio Funaro.

Em O Globo, a experiente repórter Cristiane Jungblut diz, entre aspas, que uma fonte palaciana diz que Temer quer votar a denúncia na Câmara antes que Geddel fale”.

“Nos bastidores, o temor no Planalto não é com a última flecha de Janot e sim com uma delação do ex-ministro Geddel Vieira Lima. Por isso, querem enterrar a denúncia “antes que Geddel fale”

Na coluna Painel, da Folha, é recordada uma declaração de Geddel de que não aguentaria “uma semana preso”, antes dos R$ 51 milhões e das digitais.

Será que ninguém o convidou para a única porta que lhe restaria aberta?

Não há tempo para outra denúncia, mas para vazamento, bastam alguns minutos.

Há um cheiro ruim no ar…

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247