Guardian, New York Times, Financial Times: imprensa internacional repercute anulação dos processos contra Lula

"O velho inimigo de Bolsonaro retorna para assombrá-lo", escreve Michael Stott para o Financial Times. O New York Times destacou a falha da direita moderada em articular uma candidatura tão forte quanto a de Lula. O Guardian relembrou falas do ex-presidente defendendo uma candidatura que respeite os direitos humanos, proteja o meio ambiente e se comprometa com os mais pobres

Manifestação Lula Livre
Manifestação Lula Livre (Foto: Ricardo Stuckert)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - A imprensa internacional divulgou amplamente a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin de anular os processos contra o ex-presidente Lula, o que o torna elegível para as próximas eleições presidenciais.

O Financial Times destacou em 'Lula está de volta: o velho inimigo de Bolsonaro retorna para assombrá-lo', por Michael Stott, que a decisão de Fachin derrubou não apenas as condenações de Lula, "mas também grande parte das suposições sobre as chances do presidente de extrema-direita Bolsonaro nas eleições do ano que vem". 

A publicação deu destaque para a reação negativa do mercado, que viu o dólar o subir e a bolsa cair com a notícia. A reação negativa é atribuída à possibilidade de, com o cenário atual, "Bolsonaro abandonar qualquer pretensão remanescente de reformas favoráveis ao mercado e se inclinar ainda mais na direção das concessões caras e populistas que aprovou até agora (o texto faz referência à situação da Petrobras), tencionando ainda mais as terríveis finanças do país".

PUBLICIDADE

O texto do New York Times aponta que "durante a tumultuada presidência do senhor Bolsonaro, os partidos de oposição falharam em convergir em torno de um político que pudesse desafiá-lo no ano que vem", abrindo espaço para o fortalecimento de Lula no cenário atual.

A reportagem dos correspondentes no Rio de Janeiro relembra que Moro se tornou ministro da Justiça de Bolsonaro, com quem se desentendeu ano passado e agora se encontra isolado. 

PUBLICIDADE

Já o Guardian, relembrou falas de Lula defendendo uma candidatura de respeito aos direitos humanos, defesa do meio ambiente e que seja comprometida com os mais pobres: "Você pode ter certeza de que a esquerda governará o Brasil novamente depois de 2022", afirmou Lula em abril. "Vamos votar em alguém que se comprometa com os direitos humanos e os respeite, que respeite a proteção do meio ambiente, que respeite a Amazônia ... que respeite os negros e os indígenas. Vamos eleger alguém que está comprometido com os pobres deste país".

Inscreva-se na TV 247, seja membro e compartilhe:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email