Jornalismo do Intercept vencerá ameaças e agressões

Se algum dos grandes jornais "embarcar na narrativa de que o vazamento Glenn Greenwald "foi criminoso" é porque não têm "compromisso" com o jornalismo, diz Mário Messagi Jr, no Jornal GGN, após o escândalo envolvendo Sérgio Moro; "Os dados já estão protegidos", diz ele, qualquer ação que derrube o Intercept só fará "os arquivos mudarem de mãos"

Jornalismo do Intercept vencerá ameaças e agressões

247 - "Quem desconsiderar a força jornalística do Intercept erra feio", escreve Mário Messagi Jr, no Jornal GGN, após o site que tem como um dos fundadores o jornalista Glenn Greenwald revelar a tentativa do ex-juiz Sérgio Moro, atual ministro da Justiça, de interferir nos trabalhos do Ministério Público Federal (MPF-PR) quando julgava os processos em primeira instância da Operação Lava Jato. "Os dados já estão protegidos e qualquer ação que, no limite, derrube o Intercept (digital, legal ou política) vai fazer os arquivos mudarem de mãos apenas".

De acordo com Messagi questiona "como vão se comportar os outros atores jornalísticos". "Estas são minhas apostas: SBT e Record vão ser linha de defesa da Lava Jato; Globo e Estadão vão oscilar; UOL vai cair moendo, repercutindo e tentando levar parte dos louros jornalísticos também. O divisor de águas será a narrativa sobre o vazamento. Se algum dos grandes embarcar na narrativa de que o vazamento foi criminoso (e acho que alguns vão embarcar) é sinal de que não têm nenhum compromisso mais com o jornalismo", afirma. "Se nesta disputa o The Intercept conseguir jogar o canhão de luz que tem nos subterrâneos da Lava Jato, ainda estamos numa democracia". 

Leia a íntegra no GGN

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

247 faz apelo por debate responsável na internet

Conheça a TV 247

Mais de Mídia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247