Juíza promovida após negar aborto a criança estuprada causa indignação nas redes

"É completamente inacreditável", escreveu o youtuber Felipe Neto na rede social. Confira mais reações

www.brasil247.com - Joana Ribeiro
Joana Ribeiro (Foto: Reprodução)


247 - Internautas foram nesta terça-feira (21) ao Twitter repudiar o fato de que a juíza Joana Ribeiro ter sido promovida para um novo emprego. A magistrada não trabalhará mais no caso da menina de 11 anos, impedida de fazer aborto legal mesmo sendo vítima de estupro, e disse ter sido transferida para a comarca de Brusque, no Vale do Itajaí. Ela afirmou ter recebido o convite antes da repercussão do caso.

"É completamente inacreditável", escreveu o youtuber Felipe Neto na rede social. 

Outro perfil disse que "a justiça brasileira é uma mãe com seus magistrados, principalmente com os mais perversos".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Um usuário postou: "quem é fascista ganha promoção enquanto tem juiz honesto sofrendo perseguição no CNJ".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A jornalista Hildegard Angel afirmou que "o Brasil atual tem três castas privilegiadas acima das leis e a salvo dos julgamentos. - Os Militares - O Judiciário - Os Milicianos".

Outro internauta fez ironia. "Torture crianças vítimas de estupro e ganhe uma promoção do judiciário brasileiro".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Essa notícia gera repulsa e revolta!", afirmou a liderança indígena Sonia Guajajara. 

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

 

 

 

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email