Kotscho: Justiça seletiva causa revolta na Paraíba

Jornalista Ricardo Kotscho criticou nessa segunda-feira, 23, a "Justiça seletiva" executada em favor do herdeiro da afiliada da TV Globo na Paraíba, Rodolpho Gonçalves Carlos da Silva, acusado de atropelar e matar um agente do Detran ao fugir de uma blitz da Lei Seca; "O emblemático caso de João Pessoa faz a gente se perguntar: a Justiça brasileira é mesmo igual para todos, como proclama a nossa Constituição? As instituições estão mesmo funcionando como se propaga a toda hora em Brasília? Por que será que o Judiciário é o poder mais poupado e louvado pela nossa mídia grande?", questiona

Jornalista Ricardo Kotscho criticou nessa segunda-feira, 23, a "Justiça seletiva" executada em favor do herdeiro da afiliada da TV Globo na Paraíba, Rodolpho Gonçalves Carlos da Silva, acusado de atropelar e matar um agente do Detran ao fugir de uma blitz da Lei Seca; "O emblemático caso de João Pessoa faz a gente se perguntar: a Justiça brasileira é mesmo igual para todos, como proclama a nossa Constituição? As instituições estão mesmo funcionando como se propaga a toda hora em Brasília? Por que será que o Judiciário é o poder mais poupado e louvado pela nossa mídia grande?", questiona
Jornalista Ricardo Kotscho criticou nessa segunda-feira, 23, a "Justiça seletiva" executada em favor do herdeiro da afiliada da TV Globo na Paraíba, Rodolpho Gonçalves Carlos da Silva, acusado de atropelar e matar um agente do Detran ao fugir de uma blitz da Lei Seca; "O emblemático caso de João Pessoa faz a gente se perguntar: a Justiça brasileira é mesmo igual para todos, como proclama a nossa Constituição? As instituições estão mesmo funcionando como se propaga a toda hora em Brasília? Por que será que o Judiciário é o poder mais poupado e louvado pela nossa mídia grande?", questiona (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Ricardo Kotscho criticou nessa segunda-feira, 23, a "Justiça seletiva" executada em benefício do herdeiro do maior grupo da indústria da Paraíba e da afiliada da TV Globo, Rodolpho Gonçalves Carlos da Silva, acusado de atropelar e matar um agente do Detran ao fugir de uma blitz da Lei Seca.

O estudante teve prisão preventiva decretada por volta das 20 horas do sábado pela juíza plantonista Andréa Arcoverde Cavalcanti Vaz. "A ordem de prisão foi revogada poucas horas depois, na madrugada de domingo, pelo desembargador Joás de Brito Pereira Filho, que concedeu habeas corpus ao neto do ex-senador e ex-vice governador da Paraiba José Carlos da Silva Junior, alegando não haver motivos para manter o jovem sob custódia", diz Kotscho. 

"É mais um belo exemplo da Justiça seletiva implantada no país. Segundo o Congresso em Foco, o mesmo desembargador negou pedido de habeas corpus a um acusado de cometer crime semelhante, em 2013, ao fugir de uma blitz da Lei Seca", afirma. 

"O emblemático caso de João Pessoa faz a gente se perguntar: a Justiça brasileira é mesmo igual para todos, como proclama a nossa Constituição? As instituições estão mesmo funcionando como se propaga a toda hora em Brasília? Por que será que o Judiciário é o poder mais poupado e louvado pela nossa mídia grande?", questiona.

Leia o texto na íntegra no Balaio do Kotscho. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email