Limongi: compromisso real de Temer sempre foi fugir da Lava Jato

Cientista político Fernando Limongi afirmou nesta segunda-feira, 19, que Michel Temer permanece na UTI política e que as "reformas" nunca foram o seu compromisso real; "Temer não foi guindado à presidência por seus compromissos com a reforma da previdência. Muito menos, por sua repulsa à malversação dos recursos públicos para fins eleitorais e pessoais. Os motivos de Temer e dos que o cercam foram explicitados pelas conversas entre Romero Jucá e Sergio Machado: com Dilma não haveria mais salvação. Sem ela, sob a liderança de Temer, com esforço e, vale lembrar, bons contatos no STF, tudo poderia ser arranjado", afirma

Cientista político Fernando Limongi afirmou nesta segunda-feira, 19, que Michel Temer permanece na UTI política e que as "reformas" nunca foram o seu compromisso real; "Temer não foi guindado à presidência por seus compromissos com a reforma da previdência. Muito menos, por sua repulsa à malversação dos recursos públicos para fins eleitorais e pessoais. Os motivos de Temer e dos que o cercam foram explicitados pelas conversas entre Romero Jucá e Sergio Machado: com Dilma não haveria mais salvação. Sem ela, sob a liderança de Temer, com esforço e, vale lembrar, bons contatos no STF, tudo poderia ser arranjado", afirma
Cientista político Fernando Limongi afirmou nesta segunda-feira, 19, que Michel Temer permanece na UTI política e que as "reformas" nunca foram o seu compromisso real; "Temer não foi guindado à presidência por seus compromissos com a reforma da previdência. Muito menos, por sua repulsa à malversação dos recursos públicos para fins eleitorais e pessoais. Os motivos de Temer e dos que o cercam foram explicitados pelas conversas entre Romero Jucá e Sergio Machado: com Dilma não haveria mais salvação. Sem ela, sob a liderança de Temer, com esforço e, vale lembrar, bons contatos no STF, tudo poderia ser arranjado", afirma (Foto: Aquiles Lins)

247 - O cientista político Fernando Limongi afirmou nesta segunda-feira, 19, que Michel Temer permanece na UTI política e que as "reformas" nunca foram o seu compromisso real.

"Temer não foi guindado à presidência por seus compromissos com a reforma da previdência. Muito menos, por sua repulsa à malversação dos recursos públicos para fins eleitorais e pessoais. Os motivos de Temer e dos que o cercam foram explicitados pelas conversas entre Romero Jucá e Sergio Machado: com Dilma não haveria mais salvação. Sem ela, sob a liderança de Temer, com esforço e, vale lembrar, bons contatos no STF, tudo poderia ser arranjado", afirma Limongi, em artigo no jornal Valor Econômico. 

Segundo o professor da USP, as investigações da Lava Jato revelaram que Temer não é um novo "presidente acidental". "Rompeu com Dilma e assumiu sua candidatura porque tinha que escolher entre a faixa presidencial no peito e a corda no pescoço. O seu grupo a as suas atividades estavam na linha de fogo. Joesley Batista redesenhou o famoso slide de Deltan Dallagnol colocando o atual presidente no centro da organização criminosa", afirma. 

"Acredita que o presidente e seu grupo têm compromissos com reformas, quaisquer que sejam, quem quer se enganar. O governo Temer continua na UTI. Há quem defenda que o médico responsável deveria mandá-lo para o quarto. Com sorte, a medida salva o doente. Mas só o doente e ninguém mais", diz Limongi. 

Leia na íntegra o artigo de Fernando Limongi. 

Conheça a TV 247

Mais de Mídia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247