Lula: "Biden está fazendo um bom trabalho nos EUA, mas precisa se abrir mais para a América Latina"

"Os EUA precisam aprender que a boa política internacional é construída com base na parceria. Os países pobres podem crescer. Quanto mais os países pobres crescerem economicamente, melhor será para os EUA", disse Lula à rede de comunicação pública PBS

Lula e Joe Biden
Lula e Joe Biden (Foto: Ricardo Stuckert | REUTERS/Tom Brenner)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Íntegra da entrevista do ex-presidente Lula à rede de comunicação pública PBS – O Brasil tem lutado para combater a COVID-19, com um número oficial de mortos agora superado apenas pelos EUA. Muitos dizem que uma crise de liderança do populista presidente Jair Bolsonaro levou a este momento. O ex-presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, ou "Lula" - antes condenado por corrupção, mas agora liberado para se candidatar novamente - falou com Amna Nawaz sobre a resposta do país ao COVID.

Amna Nawaz: Presidente Lula, seja bem-vindo de volta ao “NewsHour”. E obrigado por arranjar tempo. Presidente Lula, desde a última vez que conversamos há quase exatamente um ano, claro, como o senhor sabe, a pandemia piorou muito no Brasil, mais de 425 mil pessoas mortas até agora com o vírus. Meu entendimento é, até o momento, cerca de 47 milhões de doses de vacinas já foram distribuídas. Nós sabemos, apenas esta semana, o presidente Bolsonaro disse que um bilhão de dólares em fundos adicionais irão para o esforço de vacinação. Considerando onde você está agora, o que você estaria fazendo se estivesse no comando? O que mais você estaria fazendo agora para lidar com a pandemia no Brasil?

Luiz Inácio Lula da Silva (por tradutor): Amna, o problema da pandemia no Brasil e nos EUA quando Trump era presidente dos Estados Unidos, a pandemia foi tratada com falta de responsabilidade e muito desprezo, como Trump, como o Bolsonaro não tinha respeito pela vida do povo. Não discutimos ciência. Não criamos um protocolo. Não reunimos os especialistas. Os cientistas no Brasil afundavam com um presidente sem responsabilidades. E agora ele está tentando compensar as perdas e danos.

Amna Nawaz: Dada a posição do país agora, quais etapas específicas você acha que também deveriam ocorrer agora? O que mais pode ser feito para lidar com a pandemia agora?

Luiz Inácio Lula da Silva (por meio de tradutor): Temos que garantir todos os fatos que são necessários para vacinar todas as pessoas no Brasil, continuar com a política de distanciamento social e evitar ao máximo as multidões. Temos que criar condições adequadas para a ajuda emergencial às pessoas, para que aqueles que estão desempregados possam comer. E temos que garantir um crédito especial, para que as pessoas continuem trabalhando em seus pequenos e médios negócios. Ou seja, temos que fazer o que Biden já fez nos EUA em sua última declaração sobre a economia. Temos que aumentar nossa base monetária, para que possamos dar condições de sobrevivência ao povo brasileiro.

Amna Nawaz: Presidente Lula, no front das vacinas, o que mais você gostaria de ver de outros líderes mundiais como o presidente Biden? Você deu uma entrevista recente e disse que todo mundo está pensando por si mesmo agora. Que outras ações específicas você gostaria de ver do presidente Biden e de outros líderes no que diz respeito a ajudar países como o Brasil?

Luiz Inácio Lula da Silva (por tradutor): Todos os líderes mundiais devem se reunir e se reunir em sessão extraordinária, seja no G20, seja no G8, seja na ONU, para tomar uma decisão que rompam as patentes da vacina, para que sete bilhões de habitantes deste mundo terão o direito de tomar sua vacina. E esta é a primeira coisa que eu recomendaria aos líderes mundiais. A segunda é que precisamos começar a discutir uma nova governança mundial. Ou seja, já provou que, com a crise pandêmica que veio, os países não estavam prontos e cada um tentou encontrar uma solução individual. Não há saída individual para essa crise. Temos que tomar decisões que atingirão todos os países do mundo.

Amna Nawaz: Houve alguma comparação entre a maneira como o presidente Biden, dos EUA, outros líderes mundiais correram para ajudar a Índia, que também está lutando fortemente com o vírus, e a maneira como tem havido uma resposta muito mais silenciosa para ajudar o Brasil. Você acha que o Brasil tem sido tratado de forma diferente porque o Bolsonaro está no comando? 

Luiz Inácio Lula da Silva (por meio de tradutor): Bem, por que eu deveria acreditar que o próprio presidente não foi incriminado? Não há outro presidente criminalizando o Brasil ou discriminando o Brasil. Não, na verdade, o que aconteceu é que nosso presidente tomou a decisão de se tornar um líder desonesto. Ele não fala com ninguém. Ninguém quer falar com ele. Tornamo-nos um país desonesto. Então, o Brasil se isolou. Nenhum presidente ignorou o Brasil. Eu acredito que os países ricos, aqueles que participam do G20, do qual o Brasil faz parte, os países que participam do G8, eles têm que assumir responsabilidades. Os países mais ricos do mundo têm que ajudar os países mais pobres do mundo a obter a vacina.

Amna Nawaz: Presidente Lula, deixe-me perguntar sobre o Bolsonaro e sua gestão. Ele disputará a reeleição no outono de 2022. Uma pesquisa recente mostrando você e ele em um confronto direto colocou você na frente por dois dígitos. Você ainda não confirmou se está concorrendo ou não. E eu me pergunto por que você simplesmente não confirma que planeja desafiá-lo, quando está claramente procurando destroná-lo.

Luiz Inácio Lula da Silva (por tradutor): Amna, ontem à noite saiu uma pesquisa de opinião pública que me mostrou uma vitória. Recebo 20% mais votos do que ele nas pesquisas de opinião pública. Mas não posso me preocupar com essas pesquisas agora, porque, no momento, a pandemia ainda é um problema de segurança no Brasil. E agora estamos chegando ao inverno. E talvez tenhamos outra onda. Espero que não. Peço a Deus que não volte com tanta força. Mas temos que cuidar do povo, não das eleições. E quando chegar a hora de discutir eleições, discutiremos eleições. E é por isso que a pandemia é nossa principal prioridade agora.

Amna Nawaz: Mas deixe-me perguntar uma coisa. O que o impediria de disputar contra ele? O que pode acontecer entre agora e o próximo outono? Você acha que existe um candidato melhor para desafiar o Bolsonaro?

Luiz Inácio Lula da Silva (por tradutor): O que posso te dizer, Amna, é que não fui candidato em 2018 porque criaram uma farsa judicial. Não há nenhum processo judicial contra mim agora. E agora posso me candidatar à presidência. Agora, se, neste momento, eu tomar a decisão de que vou concorrer, se meu partido, meus aliados concordarem que eu teria 100 por cento de saúde, se estivesse 100 por cento saudável, então poderia concorrer, poderia ser um candidato . Mas quando chegar outubro do próximo ano, 2022, serei um ano mais novo que Joe Biden quando ele ganhar as eleições nos EUA. Portanto, estou pronto para ser candidato no próximo ano.

Amna Nawaz: Deixe-me perguntar sobre essa polarização, então, porque foi assim que um analista colocou seu desafio à frente. Ele disse - citação - "a estratégia atual de Lula não parece totalmente diferente da do presidente dos EUA Joe Biden, que se projetou como um estadista ancião de centro para unir o país após um período de polarização destrutiva."

Você se vê nesse papel? Luiz Inácio Lula da Silva (por meio de tradutor): Fiquei muito emocionado quando vi a declaração de Joe Biden sobre o plano econômico que ele tem, que a quantia de dinheiro que ele vai investir em saúde para ajudar os pobres dos Estados Unidos E assim Fiquei muito feliz com o discurso do Biden, fiquei muito feliz com o anúncio dele. Fiquei muito feliz em saber que seus representantes da Floresta Amazônica vieram discutir com o povo brasileiro aqui. E então, sinceramente, acredito que o Biden está fazendo um bom trabalho para os EUA. Acredito que ele tem que se abrir um pouco mais, porém, para a América Latina e América do Sul, porque os presidentes dos EUA, eles se esquecem da América Latina. E no passado, eles estavam muito mais preocupados com a Rússia. E então eles estavam muito mais preocupados com os terroristas. E agora eles estão muito mais preocupados com a China. É preciso lembrar e registrar que há mais gente do que China e Rússia no mundo, e que há muita gente que não é terrorista. Os EUA precisam aprender que a boa política internacional é construída com base na parceria. Os EUA precisam ser parceiros de seus aliados para ajudar. Os países pobres podem crescer. Economicamente falando, quanto mais os países pobres crescerem economicamente, melhor será para os EUA, porque os EUA vão crescer, a China vai crescer, a Alemanha vai crescer. É necessário compartilhar a riqueza.

Amna Nawaz: Presidente Lula, como você mencionou, o senhor tem 75 anos. Se você fosse se candidatar a um cargo no ano que vem, você teria 76 anos. Já está há vários anos no cargo. Qual seria a sua mensagem para os brasileiros que dizem que o Brasil agora precisa de um novo começo?

Luiz Inácio Lula da Silva (por tradutor): Amna, eu já fui presidente. E tenho consciência de que, quando eu estava na presidência, podemos ter tido a maior política de inclusão social que o Brasil já teve. Tiramos 36 milhões de pessoas da pobreza. E levantamos outros 40 milhões para a classe média. E criamos 21 milhões de empregos. Colocamos milhões de jovens em universidades públicas. Então, o que posso dizer ao povo brasileiro? Que faremos mais do que antes? Vamos fazer mais, porque, se eu voltar para o Brasil rural, não posso fazer menos. E, por isso, gostaríamos de voltar à presidência, para que possamos redemocratizar nosso país. Isso é um pouco do que Biden terá que lidar nos Estados Unidos. Ele terá que destruir os ódios que Trump desenvolveu, destruir os ódios que Bolsonaro criou aqui no Brasil, e construir uma nova sociedade baseada no amor, na humanidade e baseado na paz.

Amna Nawaz: Esse é Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-presidente do Brasil. Presidente Lula, muito obrigado pelo seu tempo.

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email