Mídia corporativa nunca foi tão feliz no Brasil

No dia seguinte à entrega do projeto de Reforma da Previdência pelo presidente Jair Bolsonaro à Câmara, a mídia corporativa festeja a proposta que pode massacrar milhões de brasileiros; o jornal O Estado de S.Paulo trata a proposta que empurra milhões de idosos (e de jovens que são futuros idosos) para a pobreza como a salvação nacional; O Globo vê o aperto nas aposentadorias e benefícios assistenciais como "redução de privilégios"; a Folha de S.Paulo publicou uma manchete mais discreta sobre percentual de contribuição de servidores públicos; mesmo em guerra com Bolsonaro, a mídia conservadora alia-se ao governo na liquidação da Previdência, a serviço dos interesses dos grandes bancos

www.brasil247.com - Mídia corporativa nunca foi tão feliz no Brasil
Mídia corporativa nunca foi tão feliz no Brasil


247 - No dia seguinte à entrega do projeto de Reforma da Previdência pelo presidente Jair Bolsonaro à Câmara dos Deputados, nesta quarta-feira (20), a mídia corporativa festeja a proposta que pode massacrar milhões de brasileiros.

Além da capa do jornal estampas "A mais ambiciosa das reformas", o jornal O Estado de S.Paulo trata a proposta que empurra milhões de idosos (e de jovens que são futuros idosos) para a pobreza como a salvação nacional. O veículo publicou uma manchete em seu site intitulada "Não se pode negociar muito a idade mínima", com o subtítulo: "Proposta de reforma da Previdência do governo agradou a um dos maiores especialistas brasileiros no tema, que calcula uma economia de R$ 800 bi em 10 anos, se mudanças no Congresso forem equivalentes a da reforma de Michel Temer". Trata-se de uma entrevista com Paulo Tafner.

Abaixo da manchete, o jornal trouxe uma análise de Pedro Nery, consultor do Senado, sobre o projeto e estampou o título: "Análise: 'reforma resgata a Constituição de 88'". Um trecho diz: "A proposta de Bolsonaro para a reforma da Previdência é mais dura do que a de Temer em relação aos que ganham mais, e mais leve em relação aos que ganham menos. O impacto nos 10 primeiros anos – de R$ 1 trilhão só na União, e ainda sem os militares – é o que a Constituição de 1988 precisa para ser salva".

Na capa do jornal O Globo o aperto nas aposentadorias e benefícios assistenciais é "redução de privilégios" e economia de R$ 1,1 trilhão. Na tentativa de despertar curiosidades do povo, o veículo da família Marinho também publicou uma manchete no site com o título "Reforma da Previdência: calculadora simula tempo para aposentadoria e valor do benefício", mas, ao mesmo tempo, o jornal tenta convencer a população de que a proposta não atinge tanto os mais pobres. Em outra matéria sobre o tema, expõe o seguinte título: "Reforma cria alíquotas de até 14% para o INSS: quem ganha mais vai pagar mais".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"A reforma da Previdência vai mexer nas alíquotas de contribuição dos trabalhadores e vai cobrar uma contribuição maior de quem tem os maiores salários. As alíquotas nominais chegarão a 22% no caso dos servidores e 14% no caso do INSS. A proposta de reforma da Previdência foi entregue nesta quarta-feira ao Congresso pelo presidente Jair Bolsonaro", diz um trecho da matéria.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O jornal Folha de S.Paulo publicou uma capa sobre o percentual de contribuição de servidores públicos. Também fez uma manchete em seu sute mais discreta, intitulada "Governo quer alíquota do INSS de até 22% para servidor público". 

"A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) da reforma da Previdência traz mudanças nas alíquotas de contribuição ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) e também ao Regime Próprio de Previdência Social, dos servidores públicos. Atualmente, os contribuintes da iniciativa privada pagam alíquotas fixas de 8%, 9% ou 11% sobre o rendimento, a depender da faixa salarial", afirma o começo da matéria.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A proposta de Reforma da Previdência prevê idade mínima de 65 anos para homens e 62 para mulheres se aposentarem. Também consta no projeto 40 anos de contribuição para o cidadão ter direito a 100% do benefício.

O projeto também implementa o chamado regime de capitalização, em que o trabalhador abre uma conta individual e faz uma espécie de poupança para se aposentar no futuro. 

O governo fixou a idade de 70 anos para idosos receberem o Benefício de Prestação Continuidade (BPC). Atualmente a idade é de 65 anos. O valor será de R$ 400, abaixo do salário mínimo vigente no Brasil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email