Nassif aponta elo entre Ronaldinho e esquema dos cassinos

O jornalista Luis Nassif afirma que as ligações de Ronaldinho Gaúcho ajudariam a financiar a ultradireita e os Bolsonaro. "O caso Ronaldinho expõe um dos esquemas mais barra-pesadas da infiltração do crime organizado na administração pública"

Nassif, Moro e Ronaldinho
Nassif, Moro e Ronaldinho (Foto: Brasil 247 e Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Luis Nassif, editor do Jornal GGN, costura mais um complexo xadrez sobre as interligações criminosas envolvendo integrantes do governo Bolsonaro.

"Não imagine que o Ministro da Justiça Sérgio Moro telefonou a autoridades do Paraguai meramente por seu deslumbramento de ser amigo das estrelas, para dar apoio a um ídolo nacional, embaixador honorário do Turismo de Jair Bolsonaro", aponta ele em reportagem do jornal GGN. Nassif expõe então a ligação do episódio de Ronaldinho no Paraguai com o empresário brasileiro Nelson Belotti, "investidor em cassinos e termoelétricas enroladas, duas áreas de estimação da família Bolsonaro".

"Conforme suas próprias declarações, Ronaldinho foi ao Paraguai a convite do empresário carioca Nelson Belotti, figura carimbada dos salões do Rio de Janeiro, que passou a investir no ramo de cassinos no Paraguai. E também com a empresária paraguaia Délia Lopes", lembra o jornalista.

"Sobre Délia já escrevemos aqui. Há todos os indícios de trabalhar com lavagem de dinheiro, valendo-se de holdings fantasmas e ONGs beneficentes. Mas o elo central da história é o empresário Nelson Belotti. A história de Belotti permite encaixar duas peças no nosso xadrez do crime organizado", prossegue Nassif, recordando o caso do doleiro Alberto Youssef e o modus operandi do senador Flávio Bolsonrao. Entenda lendo a íntegra.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247