Nassif: 'Gianetti revela imprudências de Marina'

Colunista Luis Nassif diz que guru de Marina Silva para a economia, Eduardo Gianetti, “comporta-se como o jogador de xadrez novato que só consegue analisar a jogada em curso, sem discernimento sobre seus desdobramentos”; segundo Nassif, não bastasse o alinhamento tarifário, ele defende a bandeira de que não haverá mais aumento da carga tributária, mas propõe também a volta do imposto sobre combustíveis; sacrificando ainda o crédito subsidiado, base da política agrícola e de políticas sociais, como Minha Casa

Colunista Luis Nassif diz que guru de Marina Silva para a economia, Eduardo Gianetti, “comporta-se como o jogador de xadrez novato que só consegue analisar a jogada em curso, sem discernimento sobre seus desdobramentos”; segundo Nassif, não bastasse o alinhamento tarifário, ele defende a bandeira de que não haverá mais aumento da carga tributária, mas propõe também a volta do imposto sobre combustíveis; sacrificando ainda o crédito subsidiado, base da política agrícola e de políticas sociais, como Minha Casa
Colunista Luis Nassif diz que guru de Marina Silva para a economia, Eduardo Gianetti, “comporta-se como o jogador de xadrez novato que só consegue analisar a jogada em curso, sem discernimento sobre seus desdobramentos”; segundo Nassif, não bastasse o alinhamento tarifário, ele defende a bandeira de que não haverá mais aumento da carga tributária, mas propõe também a volta do imposto sobre combustíveis; sacrificando ainda o crédito subsidiado, base da política agrícola e de políticas sociais, como Minha Casa (Foto: Roberta Namour)

247 – O colunista Luis Nassif classifica recente entrevista do guru de Marina Silva para a economia, Eduardo Gianetti, como uma declaração de propostas econômicas desconjuntadas e imprudentes. Segundo ele, Gianetti, “comporta-se como o jogador de xadrez novato que só consegue analisar a jogada em curso, sem discernimento sobre seus desdobramentos”. Leia o artigo publicado no jornal GGN:

Uma entrevista-bomba de Eduardo Gianetti

A entrevista de Eduardo Gianetti - o economista de Marina Silva - ao jornal Valor Econômico (clique aqui) é literalmente uma bomba. Gianetti - que é um filósofo - avançou radicalmente além das chinelas e, em nome de Marina Silva, apresentou um conjunto de propostas econômicas desconjuntadas e imprudentes.

Ele vai despejando medidas, parecendo atender às demandas de cada grupo aliado, sem conseguir desenhar o cenário resultante. É como se cada medida se bastasse a si própria, sem consequências para o todo.
Comporta-se como o jogador de xadrez novato que só consegue analisar a jogada em curso, sem discernimento sobre seus desdobramentos.

***

Por exemplo, tem-se um problema: as interferências de Dilma nos preços administrados criaram uma inflação represada que impede a convergência das expectativas de mercado. Ninguém sabe para onde irá a inflação quando os preços forem liberados.
Dilma propõe - para o pós-eleições, é claro - um reajuste gradual das tarifas no tempo, para evitar um choque inflacionário. Gianetti defende um choque tarifário - a correção imediata dos preços administrados. Se tem um problema - diz o valente - temos que enfrentá-lo.

De fato, tirará do horizonte uma variável indefinida. Mas a converterá uma expectativa de inflaçao em uma inflação concreta.

Quais os efeitos de um aumento súbito da inflação nas expectativas empresariais? Gianetti não saberia avaliar, mas sabe de uma coisa: choques semelhantes foram aplicados no início do governo FHC e Lula, sendo bem sucedidos.

O excelente entrevistador educadamente lembra Gianetti que, nos exemplos citados, o grande peso da inflação era dado pelo câmbio (que sofreu grandes desvalorizações nos dois casos) e não havia o quadro de emprego e renda que se tem hoje.

Confrontado com a informação, qual a reação do bravo Gianetti? Admite que "a situação em certos aspectos era diferente da atual, de fato" - o emprego do "certos aspectos" para a ideia de conhecimento de todos os aspectos, sem a necessidade dele enumerá-los. E como tratar a situação diversa que se tem hoje? Da mesma forma. Limita-se a acreditar "sem a menor dúvida", como ele diz, "de que há um custo de fazer o ajuste hoje, mas ele certamente é menor do que o custo de não fazê-lo".

***

Todas suas afirmações são reforçadas por demonstrações de fé e confiança, "sem a menor dúvida", "certamente". Não desenvolve raciocínios sobre os problemas apresentados, não estima desdobramentos. Mas "certamente" ele tem certeza de que o caminho que escolher é o melhor.

Suas teorias poderiam ser taxadas de "autoengano" promovido pelo excesso de fé e pouco uso da razão.

***

Mas não fica nisso.

Não bastasse o alinhamento tarifário, ele defende a bandeira de que não haverá mais aumento da carga tributária - conforme a expectativa de vários ambientes em que foi vender seu peixe - mas propõe também a volta da CIDE (o imposto sobre combustíveis) - conforme a expectativa dos produtores de álcool com quem estava recentemente. Ou seja, propõe dois choques para a gasolina: o realinhamento tarifário e a volta da CIDE.

Mas a volta da CIDE significa um aumento da carga tributária, observa o entrevistador astuto. Sim - admite Gianetti, que provavelmente não tinha atinado com essa obviedade. Mas responde com outra obviedade: cortaremos em outros despesas.

Quais delas?

***

O que se tem até agora é dois choques tarifários disparando a inflação. A peça seguinte é um Banco Central independente, levando a Selic onde for necessária, mas sendo auxiliar por um choque fiscal, para dar coerência ao pacote.

E onde vai cortar? No crédito subsidiado, diz o filósofo do autoengano, em um momento em que Dilma Rousseff martela diariamente na sua campanha eleitoral sobre o significado de acabar com o crédito subsidiado. Hoje em dia, há crédito subsidiado para a indústria, agricultura e programas sociais.

Gianetti é adepto da tese de que a indústria chora por vício, não por necessidade. "Acho que a indústria deve se preparar para uma operação desmame. Ela está acostumada a chorar e ser atendida".

Com a eleição da Marina, a TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo) do BNDES vai subir para não haver subsídio. Considera-se subsídio a diferença entre a TJLP e a Selic. A taxa distorcida é a Selic (que remunera os títulos da dívida pública); mas Gianetti trata a TJLP (que serve de base para os financiamentos) como se fosse a abusiva.

Toda a política agrícola é fundada em crédito subsidiado, assim como um sem-número de políticas sociais, como Minha Casa, Minha Vida.

***

A indústria se verá frente ao aumento da inflação, aumento de juros de curto prazo (com a Selic) e de longo prazo (com a TJLP); câmbio apreciado, por conta da entrada de dólares atrás dos juros; choque tarifário, com o adicional do CIDE; sem políticas industriais pela frente. E como ficará o emprego?

O mágico Gianetti, o economista que não tem dúvidas, responde que "o desemprego já é uma realidade e a ideia é que termine o quanto antes". Como? Fé cega e tesoura amolada. "A experiência mostra que a capacidade de resposta da sociedade brasileira é muito forte. Tendo a crer que ainda em 2015 será possível ver a volta da economia ao crescimento, se for muito bem feito".

Não se trata de nenhuma afirmação científica, calçada em dados, analisando todos os desdobramentos da política econômica. Trata-se de matéria de fé: "Tendo a crer (...) se for tudo muito bem feito..."

Esquece que um choque inflacionário afeta diretamente as expectativas e a confiança dos agentes econômicos. Se junto com o choque inflacionária derrubar o mercado de consumo, quebrará a única perna que sustenta o PIB hoje em dia. E se, junto com a inflação, sobrevier uma recessão - fruto do choque fiscal e tarifário - só um milagre para empresários sem mercado e sem estabilidade de preços manterem a confiança na economia.

Perde a agricultura, perde a indústria e não ganham os programas sociais.

Eles serão mantidos apenas na hipótese de haver folga fiscal, como garante nosso bravo filósofo macroeconomista.

***

Indagado sobre qual a diferença de Marina sobre os demais candidatos, Gianetti é taxativo: "Não vemos a economia como um fim em si mesmo, ela é pré-condição para uma vida melhor para todos, de uma realização mais plena. O sonho que nos move é que a economia deixe de ocupar o lugar de proeminência que ela ocupa hoje no debate brasileiro para que a gente possa focar em questões ligadas à cidadania, à realização humana, à felicidade".

Conheça a TV 247

Mais de Mídia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247