O gari de Boris, oito anos depois, recebe R$ 20 por dia de humilhação

A indenização, para usar o bordão de Casoy, “é uma vergonha”. Equivale a uma nota de R$ 20 por dia, nestes quase oito anos de humilhação, já incluídos aí correção monetária e juros

A indenização, para usar o bordão de Casoy, “é uma vergonha”. Equivale a uma nota de R$ 20 por dia, nestes quase oito anos de humilhação, já incluídos aí correção monetária e juros
A indenização, para usar o bordão de Casoy, “é uma vergonha”. Equivale a uma nota de R$ 20 por dia, nestes quase oito anos de humilhação, já incluídos aí correção monetária e juros (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, editor do Tijolaço

Quase oito anos depois, o gari José Mello recebeu R$ 60 mil como indenização por danos morais por ter sido ridicularizado, em rede nacional de televisão, pelo apresentador Bóris Casoy, porque, ingenuamente, gravou uma mensagem desejando “feliz ano novo”, que foi posta no are acompanhada, graças a um operador de áudio distraído, pelos comentários jocosos que não eram para ser ouvidos, mas foram:

−”Que merda, dois lixeiros desejando felicidades do alto das suas vassouras. O mais baixo na escala do trabalho.

Era a antevisão do sentimento da classe média abonada com a ascensão dos pobres. Que merda, como um sujeito de tão baixa extração pode falar em felicidade.

A indenização, para usar o bordão de Casoy, “é uma vergonha”.

Equivale a uma nota de R$ 20 por dia, nestes quase oito anos de humilhação, já incluídos aí correção monetária e juros.

Ao que parece, é o mesmo que seu colega de infortúnio, Francisco Gabriel de Lima, terá direito.

Porque os juízes só lembram daquelas coisas bonitas que dizem sobre a indenização ter um caráter pedagógico e ser proporcional à opulência econômica do ofensor quando se trata de calcular dano moral para “bacanas”.

Caso contrário, julgam que é “enriquecimento sem causa” e “indústria do dano moral”.

Quando é com pobre, é o “dá dez mil réis e manda embora”. No caso, vinte mil réis, por dia de ofensa.

Eles consideram  queo seu José Mello é um privilegiado, está muito bem pago.

Vai usar o dinheiro para ajudar a mãe de 75 anos, que vive em Pernambuco, a reformar sua casa, e oferecer um churrasco para os amigos do trabalho.

Lamba os beiços, “Seu” José. pensam Suas Excelências. ganhou, depois de oito anos de uma vergonha diante de todos, o que o Meritíssimo ganha num mês para ser “sábio e justo” assim, isso quando não está nos seus dois meses anuais de férias.

Afinal, tal como Boris, eles também acham mesmo que o senhor desejava “felicidades do alto de sua vassoura” e que gente assim está  no lugar “mais baixo na escala do trabalho.”

Reveja a cena:

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247