O que apavora Bolsonaro é a necessidade de apresentar teste de coronavírus, diz Thais Oyama

Jornalista diz que Bolsonaro não está “nem um pouco preocupado” com o inquérito aberto pelo STF sobre os atos pró-golpe, mas sim com a peça que “acusa o presidente de quebra de decoro, um crime de responsabilidade”, pede que ele “seja impedido de promover aglomerações e que apresente seus exames de coronavírus”

Jair Bolsonaro durante coletiva de imprensa
Jair Bolsonaro durante coletiva de imprensa (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Jair Bolsonaro não teme a abertura de inquérito solicitada pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, ao Supremo Tribunal Federal para apurar o envolvimento de deputados na organização de atos pró-AI-5. A análise é da jornalista Thais Oyama, em sua coluna no UOL.

Isso porque a futura investigação sequer cita o nome do presidente - é mais para “inglês ver” - e também porque caiu nas mãos do ministro Alexandre de Moraes no Supremo, considerado um “ambiente seguro” pelo Palácio do Planalto.

O que Bolsonaro teme mesmo, na verdade, é a peça que “acusa o presidente de quebra de decoro, um crime de responsabilidade”, pede que ele “seja impedido de promover aglomerações e que apresente seus exames de coronavírus”, além de solicitar que ele tenha caçadas algumas de suas competências.

O mandado de segurança foi protocolado pelos advogados Thiago Santos Aguiar de Pádua e José Rossini Campos do Couto Correa - o primeiro é ex-assessor da ministra do STF Rosa Weber e o segundo, ex-conselheiro da OAB, conforme noticiou o 247 na noite de domingo, por meio da coluna da jornalista Tereza Cruvinel. A ação está nas mãos do ministro Celso de Mello.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247