Ombudsman confirma erro da Folha contra Dilma

Jornalista Suzana Singer condena duramente a reportagem que acusava o governo federal de entregar residências do Minha Casa, Minha Vida sem água e sem luz na Bahia; só não havia eletricidade porque os novos moradores ainda não haviam pedido a ligação junto à Coelba, empresa de energia do estado; "Bastava ler o "outro lado" para concluir que a acusação não fazia sentido (...) cabia ao beneficiário do programa pedir a ligação dos serviços (...) acontece o mesmo com quem compra um imóvel sem ajuda federal: é a pessoa que, depois de receber as chaves, aciona o fornecimento de água, luz, gás, telefone", disse ela; sobre esse erro, Eduardo Guimarães, do Blog da Cidadania, também publicou uma análise demolidora sobre o que chamou de "fraude" cometida pelo jornal de Otávio Frias Filho

Ombudsman confirma erro da Folha contra Dilma
Ombudsman confirma erro da Folha contra Dilma
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Um erro ou uma fraude jornalística? Neste domingo, a jornalista Suzana Singer, ombudsman da Folha, condena duramente uma reportagem da Folha, publicada na semana passada, que acusou o governo federal de entregar casas sem água e sem luz no âmbito do programa "Minha Casa, Minha Vida". Era uma mentira, uma vez que as ligações estavam disponíveis e só podem ser ligadas a pedido dos novos moradores – como, aliás, ocorre também na compra de imóveis de luxo.

"Bastava ler o "outro lado" para concluir que a acusação não fazia sentido. O Ministério das Cidades explicou que as casas foram entregues com instalações elétricas e hidráulicas e que cabia ao beneficiário do programa pedir a ligação dos serviços às empresas de distribuição do Estado. Acontece o mesmo com quem compra um imóvel sem ajuda federal: é a pessoa que, depois de receber as chaves, aciona o fornecimento de água, luz, gás, telefone", diz Suzana.

Ao se debruçar sobre o tema, Eduardo Guimarães, titular do Blog da Cidadania e colunista do 247, viu mais do que um simples erro. Apontou uma "fraude" cometida pelo jornal de Otávio Frias Filho. "A fraude, porém, cumpriu seu objetivo. No mesmo dia, na “blogosfera” instalada nos grandes portais, a “denúncia” foi repercutida exatamente sob o viés que a Folha pretendeu dar – acusando a presidente de 'inaugurar obra inacabada'", disse ele (leia aqui a íntegra).

Abaixo, o texto de Suzana Singer, que condena duramente a reportagem da Folha:

NO ESCURO E A SECO

Folha acusou a presidente Dilma de entregar casas sem água nem luz no interior da Bahia. O jornal mostrou, na quarta-feira, que parte das moradias inauguradas em Vitória da Conquista, no programa Minha Casa Minha Vida, estavam no escuro e a seco. Os moradores usavam velas à noite e enchiam baldes nas casas dos vizinhos.

Bastava ler o "outro lado" para concluir que a acusação não fazia sentido. O Ministério das Cidades explicou que as casas foram entregues com instalações elétricas e hidráulicas e que cabia ao beneficiário do programa pedir a ligação dos serviços às empresas de distribuição do Estado.

Acontece o mesmo com quem compra um imóvel sem ajuda federal: é a pessoa que, depois de receber as chaves, aciona o fornecimento de água, luz, gás, telefone.

Os casos relatados indicavam que nem havia um problema exagerado de demora na entrega desses serviços. Apenas uma dona de casa esperava a instalação de luz havia oito dias, três a mais que o prazo dado pela companhia elétrica.

Diante das explicações dadas pelo governo e pelas concessionárias de serviços estaduais, o jornal deveria ter derrubado a reportagem. Não adianta registrar burocraticamente o "outro lado", como prega o "Manual da Redação", mas insistir numa acusação vazia.

A Redação não concorda. "A informação de que as casas foram entregues sem água nem luz é relevante por mostrar a pressa com que o governo tem organizado essas inaugurações, por motivos obviamente eleitorais. O objetivo da reportagem era mostrar isso e não culpar a presidente pela falta de água e luz", diz a editoria Poder.

Se era assim, por que o título dizia "Dilma multiplica viagens e entrega casas sem água e luz"? Em plena campanha (alguém duvida que já começou?), é preciso ser mais rigoroso com as denúncias envolvendo qualquer um dos candidatos. Do contrário, o jornal estará apenas fornecendo matéria-prima para os programas eleitorais de 2014.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email