Reinaldo: STF reitera que conteúdo de pregação de Bolsonaro é inconstitucional. E aí?

O jornalista Reinaldo Azevedo cobra uma postura do STF a respeito da pregação de Bolsonaro ao uso da cloroquina, remédio que não tem eficácia comprovada no combate ao coronavírus

(Foto: Reprodução | Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Reinaldo Azevedo, em sua coluna no portal UOL,  cobra uma postura do STF a respeito da pregação de Bolsonaro ao uso da cloroquina, remédio que não tem êficácia comprovada no combate ao coronavírus. 

"É inédito na história um presidente da República defender uma terapia medicamentosa em pronunciamento oficial, ao arrepio de todas as associações médicas que cuidam do assunto e que estão ligadas às pesquisas de ponta. E daí? Sem pudor, o presidente transforma testemunhos desse ou daquele em verdade científica e força a barra. Suas milícias digitais estão certas de que deram a volta por cima? Por cima de quê? Daqui a pouco, desgraçadamente, começarão a faltar leitos e respiradores para os pacientes. O país deve se aproximar, nesta quinta-feira, dos mil mortos, e o pior ainda está por vir. Não obstante, o presidente insiste em sua tese enlouquecida sobre o fifim precoce do distanciamento social. Ele e o ministro Luiz Mandetta, da Saúde, parecem ter selado uma pax, mas, nesse particular, ministro diz uma coisa, e o presidente, o seu contrário". 

"Como se nota, o ministro descarta por inconstitucional o não-distanciamento como alternativa, dado o que informa a ciência a respeito. Ora, o direito à saúde é um bem protegido pela Constituição. O convite e a i110ncitação para que os brasileiros se exponham, então, ao que é considerado tecnicamente um risco constitui uma agressão à Carta. Se isso vale para uma campanha, por que não vale para o presidente da República, que é encarnação da Presidência e o chefe do Executivo, um dos Poderes da República?"

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email