Ricardo Melo pede novo julgamento da AP 470

Colunista diz que admissão pelo presidente do STF, Joaquim Barbosa, de que penas foram elevadas artificialmente aumenta irregularidades; "é a única saída para o Supremo recuperar sua respeitabilidade"; segundo ele, há gente condenada e presa num processo que tem tudo para ser contestado: "O país continua sem saber realmente se houve e, se houve, o que foi realmente o chamado mensalão "

Colunista diz que admissão pelo presidente do STF, Joaquim Barbosa, de que penas foram elevadas artificialmente aumenta irregularidades; "é a única saída para o Supremo recuperar sua respeitabilidade"; segundo ele, há gente condenada e presa num processo que tem tudo para ser contestado: "O país continua sem saber realmente se houve e, se houve, o que foi realmente o chamado mensalão "
Colunista diz que admissão pelo presidente do STF, Joaquim Barbosa, de que penas foram elevadas artificialmente aumenta irregularidades; "é a única saída para o Supremo recuperar sua respeitabilidade"; segundo ele, há gente condenada e presa num processo que tem tudo para ser contestado: "O país continua sem saber realmente se houve e, se houve, o que foi realmente o chamado mensalão " (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O colunista Ricardo Melo sugere que o Supremo Tribunal Federal deve fazer um novo julgamento da AP 470 se quiser resgatar suas respeitabilidade.

Segundo ele, a admissão pelo presidente da Corte, Joaquim Barbosa, de que penas foram elevadas artificialmente para evitar a prescrição dos crimes, aumenta irregularidades. Ele cita a ocultação deliberada de investigações como a mais grave delas; entre elas, o inquérito 2474, sobre a Visanet, que derruba o argumento central do esquema do chamado “mensalão”.

“No final das contas, há gente condenada e presa num processo que tem tudo para ser contestado. O país continua sem saber realmente se houve e, se houve, o que foi realmente o chamado mensalão”, diz (leia aqui o artigo).

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email