Rodrigues revê posição e favoritismo de Dilma

Um ano atrás, o colunista cravou que a presidente Dilma Rousseff era a favorita na sucessão presidencial e disse que a oposição era apenas "uma miragem"; hoje, ele vê o PT em situação pior do que nas eleições presidenciais de 2002, 2006 e 2010; "Nas últimas vezes, a curva petista era nitidamente ascendente. Agora, está embicando para baixo. É um mau momento para o governo", afirma

Rodrigues revê posição e favoritismo de Dilma
Rodrigues revê posição e favoritismo de Dilma

247 - No dia 5 de junho do ano passado, exatamente há um ano, o colunista Fernando Rodrigues, da Folha de S. Paulo, cravou que a presidente Dilma Rousseff era favorita à reeleição e que a oposição seria apenas "uma miragem".

Hoje, em nova avaliação sobre a sucessão presidencial, ele vê o quadro presidencial de outra forma e diz que o avião do Palácio do Planalto está embicando para baixo.

Leia, abaixo, análise atual: 

Um mau momento

BRASÍLIA - Durante meses em 1989 ouvi de marqueteiros de Ulysses Guimarães que sua candidatura a presidente decolaria após o horário eleitoral. Ele era honesto. Havia comandado a elaboração da nova Constituição. Seu apelido, "senhor Diretas". Tudo verdade. Sem contar o principal: Ulysses teria o maior tempo de TV disponível.

O resto é história. Ulysses amargou o sexto lugar na eleição presidencial de 1989. Teve meros 4,7% dos votos válidos. Não empolgou os brasileiros. O PMDB o abandonou. Havia um desejo de mudança no ar. Dois novatos foram ao segundo turno --Fernando Collor e Lula.

Dilma Rousseff não é Ulysses Guimarães. O Brasil de 2014 não é o de 1989. O PT não é o PMDB. Mas o fato é que as coisas começam a andar mal para a petista. As análises ouvidas são as de sempre: ela é honesta, o país melhorou e após o horário eleitoral vai deslanchar.

Na política vale a mesma explicação usada sobre tragédias aeronáuticas. Um avião nunca cai apenas por um motivo isolado, mas por causa de um conjunto de erros. O desastre decorre de uma sucessão de equívocos, desídia e falta de atenção.

É assim numa campanha eleitoral. A presidente da República negligenciou durante seus três primeiros anos de mandato certos protocolos básicos. Não recebeu políticos de maneira regular e orgânica. Evitou o quanto pode entrevistas nas quais poderia ter sido submetida ao contraditório. Há inúmeros exemplos. A pesquisa Datafolha de ontem é a consequência disso tudo. Dilma recuou para 34% das intenções de voto.

Em junho de 2002, Lula tinha 40% no Datafolha. Em 2006, tinha 46% nesta época. Dilma, em 2010, registrava 38%. Além dos percentuais, qual é a diferença da eleição atual em relação a esses três pleitos anteriores? Nas últimas vezes, a curva petista era nitidamente ascendente. Agora, está embicando para baixo. É um mau momento para o governo.

E leia, agora, a de um ano atrás:

Dilma é favorita

BRASÍLIA - Só um surto de autoengano leva a oposição a acreditar que o raciocínio "o Brasil está bom, mas pode melhorar" vai se disseminar pela maioria do eleitorado no ano que vem --e será suficiente para destronar o PT do Planalto.

Esse voto racional nunca aconteceu em nível nacional no Brasil moderno. Aliás, ocorreu o oposto. Em 1986, qualquer pessoa bem informada sabia que o Plano Cruzado já era. Mas o PMDB ganhou quase tudo.

Em 1998, o Plano Real estava condenado com o seu câmbio engessado. Mas Fernando Henrique Cardoso foi reeleito presidente.

A única chance de a oposição vencer em 2014 é se acabar a sensação de bem-estar da maioria dos eleitores. A economia desempenha um papel relevante na construção desse cenário, embora não seja único. As coisas pioram para a oposição porque a profusão de indicadores ruins nos últimos dias não garante um cenário de desastre absoluto até o final do ano que vem.

É evidente que o atual crescimento medíocre terá impacto mais adiante. A partir de 2015, com certeza. Só que a eleição já terá passado.

Consultado, o marqueteiro oficial João Santana, o 40º ministro, deu risada sobre a hipótese de a inflação tirar Dilma Rousseff do Planalto. As pesquisas do governo indicam, de fato, um ruído razoável na mente das pessoas sobre a alta de preços, sobretudo de alimentos. Mas nesses mesmos levantamentos, a presidente é vista pelos eleitores como a mais apetrechada para tratar desse problema --bem à frente de todos os candidatos de oposição.

Nesse ponto, não custa repetir a ressalva de sempre: falta muito até outubro de 2014. Ainda assim parece ter se instalado no noticiário uma sensação de jogo zerado. Talvez pelas derrapadas econômicas e pela presença midiática dos pré-candidatos de oposição. Tudo somado forma uma miragem. Por enquanto, Dilma segue como favorita.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247