Sakamoto: Bolsonaro precisa de alfajor para adoçar a diplomacia

O jornalista Leonardo Sakamoto alerta para eventuais prejuízos diplomáticos entre Brasil e Argentina após Jair Bolsonaro dizer que o Rio Grande do Sul deve se preparar para a "esquerdalha" de "irmãos argentinos fugindo para cá". Segundo o colunista, declarações como essas "são recebidas de forma negativa por parte da classe média argentina"

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Leonardo Sakamoto alerta para eventuais prejuízos diplomáticos entre Brasil e Argentina após uma polêmica declaração de Jair Bolsonaro ao saber que o progressista Alberto Fernández venceu o atual mandatário Mauricio Macri por 47% a 32% nas primárias das eleições gerais.

"O problema para Macri é que declarações como essa, que fazem vibrar os seguidores de extrema direita do presidente brasileiro, são recebidas de forma negativa por parte da classe média argentina – que sofre com uma crise econômica continuada", escreve Sakamoto.

"E agindo como cheerleader e não como presidente da República vizinha, disse, nesta segunda (12), no Rio Grande do Sul, que o Estado deve se preparar para levas de 'irmãos argentinos fugindo para cá'. 'Povo gaúcho, se essa 'esquerdalha' voltar na Argentina nós poderemos ter, sim, no Rio Grande do Sul um novo Estado de Roraima e não queremos isso', disse Bolsonaro sem pudor algum de comparar a democracia ao Sul com o governo autoritário ao Norte", destaca o colunista.

"Após essa declaração amarga, Bolsonaro precisaria de um alfajor para adoçar sua diplomacia", acrescenta.

Sakamoto destaca que "ninguém vai votar ou deixar de votar por conta do apoio de Bolsonaro, mas ele dá uma cara mais violenta à direita sul-americana – o que não ajuda quem precisa agregar votos em torno de seu nome. Pelo contrário, causa constrangimentos". "Torcer pela Argentina? Temos é que pedir para eles torcerem por nós".

Leia a íntegra no Blog do Sakamoto

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247