Tereza Cruvinel fala sobre a “cartada do PT”

Jornalista Tereza Cruvinel afirma haver "duas formas de dar certo, para o PT". "A primeira, seria o deferimento da candidatura, via suspensão da inelegibilidade, após uma batalha jurídica que chegará ao STF"; a segunda seria o TSE e o STF, "observando os prazos e os ritos, permitirem que Lula siga como candidato sob exame até à segunda semana de setembro, meio caminho estará andado"

Tereza Cruvinel fala sobre a “cartada do PT”
Tereza Cruvinel fala sobre a “cartada do PT” (Foto: Dir.: Paulo Pinto - Ag. PT)

247 - "Nas últimas horas, o PT deflagrou uma ofensiva de imprensa e de manifestações internacionais em favor de Lula. Ontem à noite, a ministra Rosa Weber, que será figura chave neste processo, tomou posse como presidente do TSE", diz a jornalista Tereza Cruvinel em sua coluna no Jornal do Brasil.

"A ofensiva incluiu a publicação de um artigo de Lula no jornal global The New York Times, reivindicando o direito de ser candidato: 'quero democracia, não impunidade'. Na mesma linha a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, escreveu artigo na Folha de S. Paulo. Hoje pela manhã haverá lançamento do livro de Lula, 'A Verdade Vencerá'", complementa. "Pérez Esquivel, Prêmio Nobel da Paz, visitou a presidente do STF, Cármen Lúcia, a quem disse que considera Lula um preso político", relata. "Onze pastorais da Igreja Católica protestaram contra a prisão de Lula".

Segundo ela, existem "duas formas de dar certo, para o PT". "A primeira, seria o deferimento da candidatura, via suspensão da inelegibilidade, após uma batalha jurídica que chegará ao STF", diz a jornalista, que falou sobre a segunda maneira. "Se o TSE, e depois o STF, observando os prazos e os ritos, permitirem que Lula siga como candidato sob exame até à segunda semana de setembro, meio caminho estará andado. Enquanto não for impugnado, Lula participará do horário eleitoral, que começa no dia 31".

Leia a íntegra do texto

Ao vivo na TV 247 Youtube 247