Toledo: “Temer quer vender algo que não lhe pertence”

Jornalista José Roberto de Toledo fez duras críticas nesta segunda-feira, 28, ao projeto de privatizações e entrega do patrimônio público anunciado por Michel Temer; "Michel Temer está querendo vender algo que não lhe pertence. A procuração dada pelos proprietários à representante que ele substituiu não fala nada em entregar patrimônio público para cobrir um buraco – buraco que Temer não foi o primeiro a cavar mas ajudou a aprofundar. Até que o eleitor diga que é isso que quer, alienar florestas e estatais causará desconfiança e suspeição – especialmente quando 93% desaprovam o presidente", disse Toledo

Jornalista José Roberto de Toledo fez duras críticas nesta segunda-feira, 28, ao projeto de privatizações e entrega do patrimônio público anunciado por Michel Temer; "Michel Temer está querendo vender algo que não lhe pertence. A procuração dada pelos proprietários à representante que ele substituiu não fala nada em entregar patrimônio público para cobrir um buraco – buraco que Temer não foi o primeiro a cavar mas ajudou a aprofundar. Até que o eleitor diga que é isso que quer, alienar florestas e estatais causará desconfiança e suspeição – especialmente quando 93% desaprovam o presidente", disse Toledo
Jornalista José Roberto de Toledo fez duras críticas nesta segunda-feira, 28, ao projeto de privatizações e entrega do patrimônio público anunciado por Michel Temer; "Michel Temer está querendo vender algo que não lhe pertence. A procuração dada pelos proprietários à representante que ele substituiu não fala nada em entregar patrimônio público para cobrir um buraco – buraco que Temer não foi o primeiro a cavar mas ajudou a aprofundar. Até que o eleitor diga que é isso que quer, alienar florestas e estatais causará desconfiança e suspeição – especialmente quando 93% desaprovam o presidente", disse Toledo (Foto: Aquiles Lins)

247 - O jornalista José Roberto de Toledo, colunista do Estado de S. Paulo, fez duras críticas nesta segunda-feira, 28, ao projeto de privatizações e entrega do patrimônio público anunciado por Michel Temer. 

"Michel Temer está querendo vender algo que não lhe pertence. A procuração dada pelos proprietários à representante que ele substituiu não fala nada em entregar patrimônio público para cobrir um buraco – buraco que Temer não foi o primeiro a cavar mas ajudou a aprofundar. Até que o eleitor diga que é isso que quer, alienar florestas e estatais causará desconfiança e suspeição – especialmente quando 93% desaprovam o presidente", disse Toledo. 

Para o colunista, Temer acha que vai entrar para a história como "o presidente das reformas", como quem fez o que precisava ser feito mas ninguém tinha coragem de fazer. Não vai. Collor não é lembrado por abrir a economia do país, mas pelo Fiat Elba, por PC Farias e por ter sido o primeiro impedido pós-ditadura.

"Se a preocupação de Temer é com a posteridade, algum sabujo poderia lembrá-lo de que ele já é histórico. É o presidente mais impopular que se tem registro. Não é pouco, considerando-se a concorrência. Ele superou Dilma, Collor e até Sarney. Dificilmente alguém vai conseguir batê-lo tão cedo. Parabéns", afirmou. 

Toledo criticou o omissão do Judiciário frente à crise institucional. "Como diria aquele investigado, com o Supremo, com tudo. Partidos políticos, Congresso e Presidência da República estão perdendo os últimos traços de respeitabilidade aos olhos do público. O desastre está à espreita. É no pascigo do descrédito institucional que se alimentam vivandeiras e promotores do ódio. É também uma oportunidade de negócio para marqueteiros virtuais que fazem dinheiro sublocando MAVs e manipulando a mídia social", afirmou. 

Leia na íntegra o artigo no Estado de S.Paulo.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247