Vale a pena ler de novo: o que Aloysio foi fazer em Washington após o golpe

247 republica reportagem de Glenn Greenwald sobre a misteriosa - e pouco divulgada - viagem do senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) aos Estados Unidos,  onde se reuniu com várias autoridades norte-americanas, além de lobistas e pessoas influentes próximas a Clinton e outras lideranças políticas, um dia depois da votação do impeachment; confira o texto do portal The Intercept

Senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) concede entrevista. Foto: Moreira Mariz/Agência Senado
Senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) concede entrevista. Foto: Moreira Mariz/Agência Senado (Foto: Gisele Federicce)

Porque o Sen. Aloysio Nunes foi a Washington um dia depois da votação do impeachment?

Por Glenn Greenwald, Andrew Fishman e David Miranda, no The Intercept

A CÂMARA DOS DEPUTADOS do Brasil votou a favor da admissibilidade do impeachment da presidente do país, Dilma Rousseff, encaminhando o processo de afastamento para o Senado. Em um ato simbólico, o membro da casa que deu o voto favorável nº 342, mínimo para admitir o processo, foi o deputado Bruno Araújo, mencionado em um documento que sugere que ele poderia ter recebido fundos ilegais de uma das principais empreiteiras envolvidas no atual escândalo de corrupção do país. Além disso, Araújo pertence ao partido de centro-direita PSDB, cujos candidatos perderam quatro eleições seguidas contra o PT, de esquerda moderada, partido de Rousseff, sendo a última delas há apenas 18 meses atrás, quando 54 milhões de brasileiros votaram pela reeleição de Dilma como presidente.

Esses dois fatos sobre Araújo sublinham a natureza surreal e sem precedentes do processo que ocorreu ontem em Brasília, capital do quinto maior país do mundo. Políticos e partidos que passaram duas décadas tentando — e fracassando — derrotar o PT em eleições democráticas encaminharam triunfalmente a derrubada efetiva da votação de 2014, removendo Dilma de formas que são, como o relatório do The New York Times de hoje deixa claro, na melhor das hipóteses, extremamente duvidosas. Até mesmo a revista The Economist, que há tempos tem desprezado o PT e seus programas de combate à pobreza e recomendou a renúncia de Dilma, argumentou que "na falta da prova de um crime, o impeachment é injustificado" e "parece apenas um pretexto para expulsar um presidente impopular. "

Leia aqui a íntegra.

Conheça a TV 247

Mais de Mídia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247