Veja ainda blinda Cunha e prevê abraço de afogados

Na semana em que apareceram as assinaturas de Eduardo Cunha em suas contas na Suíça e a procuradoria-geral da República o acusou de esconder um patrimônio de R$ 61 milhões (duas mega-senas acumuladas), Veja tentou igualar a situação de Cunha à do ex-presidente Lula e a da presidente Dilma Rousseff, como se todos estivessem prestes a ser devorados pelo tubarão da Lava Jato; contra Lula, o que surgiu na semana passada foi uma bola fora: a acusação falsa contra seu filho Fábio Luis Lula da Silva; em relação a Dilma, é evidente que ela se fortaleceu depois que o Supremo Tribunal Federal travou o jogo combinado entre Cunha e a oposição; revistas semanais, no entanto, ainda não desistiram do golpe

Na semana em que apareceram as assinaturas de Eduardo Cunha em suas contas na Suíça e a procuradoria-geral da República o acusou de esconder um patrimônio de R$ 61 milhões (duas mega-senas acumuladas), Veja tentou igualar a situação de Cunha à do ex-presidente Lula e a da presidente Dilma Rousseff, como se todos estivessem prestes a ser devorados pelo tubarão da Lava Jato; contra Lula, o que surgiu na semana passada foi uma bola fora: a acusação falsa contra seu filho Fábio Luis Lula da Silva; em relação a Dilma, é evidente que ela se fortaleceu depois que o Supremo Tribunal Federal travou o jogo combinado entre Cunha e a oposição; revistas semanais, no entanto, ainda não desistiram do golpe
Na semana em que apareceram as assinaturas de Eduardo Cunha em suas contas na Suíça e a procuradoria-geral da República o acusou de esconder um patrimônio de R$ 61 milhões (duas mega-senas acumuladas), Veja tentou igualar a situação de Cunha à do ex-presidente Lula e a da presidente Dilma Rousseff, como se todos estivessem prestes a ser devorados pelo tubarão da Lava Jato; contra Lula, o que surgiu na semana passada foi uma bola fora: a acusação falsa contra seu filho Fábio Luis Lula da Silva; em relação a Dilma, é evidente que ela se fortaleceu depois que o Supremo Tribunal Federal travou o jogo combinado entre Cunha e a oposição; revistas semanais, no entanto, ainda não desistiram do golpe (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Neste fim de semana, a revista Época, do grupo Globo, retrata um Eduardo Cunha (PMDB-RJ) ainda forte. Na capa, ele é chamado de "senhor impeachment", como se ainda tivesse legitimidade moral e política para conduzir um golpe contra a democracia brasileira (confira aqui).

Em Veja, da Editora Abril, Cunha já não aparece tão forte. Ele aparece, na capa, prestes a ser devorado pelo tubarão da Operação Lava Jato. No entanto, o presidente da Câmara não está sozinho, mas sim na companhia do ex-presidente Lula e da presidente Dilma Rousseff, como se os três estivessem prestes a morrer, num "abraço de afogados".

Isso tudo na semana em que apareceram o passaporte e a assinatura de Cunha nas contas abertas na Suíça. Além disso, numa nova denúncia, a Procuradoria-Geral da República o acusou de esconder da Receita Federal um patrimônio não declarado de nada menos que R$ 61 milhões (duas mega-senas acumuladas).

Nem isso foi suficiente para que Veja o tratasse como o protagonista da semana – o que equivale, portanto, a uma blindagem. Ao igualá-lo a Lula e Dilma, a revista da Abril compara casos absolutamente distintos. Contra Lula, o que surgiu na semana passada foi uma bola fora: a acusação de que seu filho Fábio Luis teria sido citado na delação premiada de Fernando Baiano. Trata-se de uma imputação falsa, que renderá processos contra O Globo e o jornalista Lauro Jardim (leia aqui).

Em relação à presidente Dilma Rousseff, é evidente que ela saiu fortalecida de uma semana em que o Supremo Tribunal Federal travou o jogo combinado entre Cunha e a oposição, liderada pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG), para levar adiante o golpe. No entanto, para Veja, a presidente que resistiu está prestes a se afogar na companhia de Cunha.

Isso demonstra que as revistas semanais ainda não desistiram do golpe. Numa reportagem interna, Veja afirma que, no tabuleiro do poder, o impeachment retrocedeu duas casas na semana passada, mas ainda não acabou. A conferir.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email