Vera Magalhães: 'Bolsonaro viu a cara do impeachment e ela estava viva'

De acordo com a jornalista Vera Magalhães, "o apagão de dados da covid-19 era o que de mais cristalino em termos de crime de responsabilidade o 'capitão' cometeu até aqui, e não passaria incólume só com notas de repúdio"

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em sua coluna publicada no jornal O Estado de S.Paulo, Vera Magalhães destaca que, na reunião ministerial desta terça-feira (9), Jair Bolsonaro "não tripudiou, não comemorou, não desancou a OMS. Não falou palavrões".

"Depois de esticar a corda ao máximo, ao determinar que o Ministério da Saúde revisasse e escamoteasse os dados de contágio e óbitos da pandemia, recuou diante de mais uma invertida do Supremo Tribunal Federal (STF), numa semana plena de potenciais encrencas para o governo no Judiciário", diz.

De acordo com a jornalista, "todos esses recuos são do conhecido comportamento ciclotímico de Bolsonaro, mas agora foram ditados por avisos muito claros que auxiliares fizeram ao presidente: o apagão de dados da covid-19 era o que de mais cristalino em termos de crime de responsabilidade o 'capitão' cometeu até aqui, e não passaria incólume só com notas de repúdio".

"Somando a gravidade da pedalada com as vidas e o fato de que as ruas começam a encher, Bolsonaro viu a cara do impeachment, e, pela primeira vez, ela estava viva".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email