Zé de Abreu no Faustão: o bem que veio do mal

Fernando Brito, do Tijolaço, destaca que, ao narrar no Domingão do Faustão o episódio em que cuspiu em uma pessoa após ser xingado em um restaurante com sua mulher, o ator José de Abreu aproveitou o espaço para denunciar o golpe contra Dilma Rousseff: "Se todos que sabem deste óbvio falassem publicamente, o Brasil retomaria a esperança de que a vergonha pública cessaria no país. Inclusive os “globais” que, como registrou o próprio Zé de Abreu, escondem sua própria covardia alegando temor de represálias"

Fernando Brito, do Tijolaço, destaca que, ao narrar no Domingão do Faustão o episódio em que cuspiu em uma pessoa após ser xingado em um restaurante com sua mulher, o ator José de Abreu aproveitou o espaço para denunciar o golpe contra Dilma Rousseff: "Se todos que sabem deste óbvio falassem publicamente, o Brasil retomaria a esperança de que a vergonha pública cessaria no país. Inclusive os “globais” que, como registrou o próprio Zé de Abreu, escondem sua própria covardia alegando temor de represálias"
Fernando Brito, do Tijolaço, destaca que, ao narrar no Domingão do Faustão o episódio em que cuspiu em uma pessoa após ser xingado em um restaurante com sua mulher, o ator José de Abreu aproveitou o espaço para denunciar o golpe contra Dilma Rousseff: "Se todos que sabem deste óbvio falassem publicamente, o Brasil retomaria a esperança de que a vergonha pública cessaria no país. Inclusive os “globais” que, como registrou o próprio Zé de Abreu, escondem sua própria covardia alegando temor de represálias" (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, do Tijolaço

Discordo francamente do ato de cuspir em alguém.

Mas não sou hipócrita de dizer que não teria uma reação igual ou pior ainda se fosse comigo o episódio em que um casal de bestas-feras xingou o ator José de Abreu e a mulher num restaurante em São Paulo.

Abreu narrou o episódio, ontem, no Domingão do Faustão, para o qual, é óbvio, foi chamado apenas pelo espetaculoso episódio e é difícil condenar qualquer excesso diante do que se passou.

O que ele disse sobre o fato pode ser visto aqui.

O mal, entretanto, veio para o bem e, num dos raríssimos momentos em que o óbvio pode ser dito na Rede Globo, Abreu expressou aquilo que ninguém, em sã consciência, pode entender.

Embora, em seu insano ódio político, a Globo e a mídia em geral teimem em não dizer com a crueza que registrou-se aqui, outro dia, de um comentarista da TV portuguesa: o processo de impeachment foi aberto por uma assembléia geral de ladrões, presidida por um ladrão.

Aquilo, mais que qualquer outra coisa, foi uma cusparada no rosto desta nação.

E Abreu soube dizê-lo, aproveitando o espaço em que talvez se esperasse vê-lo acabrunhado, desculpando-se pelo ato ofensivo.

Se todos que sabem deste óbvio falassem publicamente, o Brasil retomaria a esperança de que a vergonha pública cessaria no país.

Inclusive os “globais” que, como registrou o próprio Zé de Abreu, escondem sua própria covardia alegando temor de represálias.

Ao patrão, entregamos o nosso trabalho, não a nossa consciência.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email