A preocupação dos EUA é de que não haverá conflitos entre Rússia e Ucrânia, diz mídia chinesa

Com a escalada da questão da Ucrânia, os EUA, sendo um país terceiro, não cansaram de inventar a atmosfera de que “a guerra começará em breve”

www.brasil247.com - Presidentes da Ucrania, Volodimir Zelenski, e da Russia, Vladimir Putin
Presidentes da Ucrania, Volodimir Zelenski, e da Russia, Vladimir Putin (Foto: Reuters)


Rádio Internacional da China (CRI) - Na conversa telefônica realizada neste sábado (12) com o presidente da Rússia, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse que caso a Rússia “invada” a Ucrânia, os EUA e seus aliados vão fazer o país pagar muito caro. Em resposta, o presidente russo, Vladimir Putin, disse que não entendeu porque a Casa Branca disseminou informações falsas sobre uma invasão. Também no mesmo dia, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, ressaltou que não foi desencadeada uma guerra plena em território ucraniano. Ele até pediu aos países terceiros que mostrem a prova da “invasão” russa.

Com a escalada da questão da Ucrânia, os EUA, sendo um país terceiro, não cansaram de inventar a atmosfera de que “a guerra começará em breve”, apesar de a própria Rússia e a Ucrânia manifestaram, por repetidas vezes, que não querem um conflito. O conselheiro de Segurança Nacional do presidente dos EUA, Jake Sullivan, alegou que foi informado de que a Rússia poderia “invadir” a Ucrânia antes do dia 20 de fevereiro. Segundo a mídia norte-americana, o Departamento de Estado ordenou a retirada do corpo diplomático da Ucrânia e pediu a saída dos cidadãos norte-americanos do país.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Apesar de os EUA criarem o pânico da guerra, os analistas consideram uma pequena possiblidade de conflito entre a Rússia e a Ucrânia, porque ambos estão cientes de que a guerra trará riscos incontroláveis. Então, por que os EUA estão se esforçando em exagerar a ameaça da “invasão” russa? Antes de tudo, Washington quer aproveitar a eventual “ameaça russa” para criar tensão na Europa, fazendo com que os países da Europa Oriental e membros da antiga União Soviética sigam a ordem dos EUA. Além disso, lucrar ao incitar uma crise que leva à guerra foi sempre a artimanha predileta dos EUA. Segundo informações, após o agravamento da crise da Ucrânia, os EUA transportaram um grande volume de armas para a Ucrânia, e ratificaram os Estados bálticos a transferir ao país mísseis e outras armas fabricadas pelos EUA.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email