Agência do Reino Unido diz que revisará com urgência dados de testes da vacina da AstraZeneca para Covid-19

A Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos para a Saúde (MHRA) do Reino Unido anunciou nesta quarta-feira que está revisando com urgência informações para determinar se a AstraZeneca pode reiniciar os testes de sua vacina contra a Covid-19 após um paciente adoecer

Pessoa é vacinada em campanha de vacinação contra a gripe sazonal em Nice, na França 24/10/2018
Pessoa é vacinada em campanha de vacinação contra a gripe sazonal em Nice, na França 24/10/2018 (Foto: REUTERS/Eric Gaillard)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - A agência reguladora médica do Reino Unido informou nesta quarta-feira que está revisando com urgência as informações disponíveis para determinar se a AstraZeneca pode reiniciar os testes de sua vacina experimental contra o coronavírus após uma doença inexplicada em um participante.

Em um e-mail, o diretor de licenciamento da Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos para a Saúde (MHRA), Siu Ping Lam, disse que a instituição está trabalhando com o Centro de Vacinas de Oxford para revisar os dados de segurança, de acordo com o protocolo do estudo. 

“Estamos revisando urgentemente todas as informações e ativamente engajados com os pesquisadores para determinar se o ensaio pode reiniciar o mais rápido possível”, afirmou ele. 

A segurança dos participantes em qualquer ensaio clínico é uma prioridade, acrescentou. A AstraZeneca está desenvolvendo a vacina em potencial com a Universidade de Oxford

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email