Arábia Saudita irá permitir presença de mulheres em estádios esportivos em 2018

A Arábia Saudita irá permitir que mulheres visitem estádios de esportes no começo de 2018, afirmou Turki Al-Asheikh, diretor da Autoridade Esportiva saudita; Al-Asheikh disse ao jornal Arab News na segunda-feira (30) que as autoridades estão preparando os estádios de três cidades para "receber famílias"; em setembro, o rei Salman bin Abdulaziz Al Saud assinou um decreto real que autoriza pela primeira vez que as mulheres da Arábia Saudita dirijam carros

Mulheres na Arábia Saudita
Mulheres na Arábia Saudita (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Sputnik Brasil

A Arábia Saudita irá permitir que mulheres visitem estádios de esportes no começo de 2018, afirmou Turki Al-Asheikh, diretor da Autoridade Esportiva saudita.

Al-Asheikh disse ao jornal Arab News na segunda-feira (30) que as autoridades estão preparando os estádios de três cidades para "receber famílias".
Em setembro, o rei Salman bin Abdulaziz Al Saud assinou um decreto real que autoriza pela primeira vez que as mulheres da Arábia Saudita dirijam carros. A alteração, entretanto, somente entrará em vigor em junho de 2018.

A Arábia Saudita é frequentemente criticada pela comunidade internacional por suas violações dos direitos humanos. Um dos pontos mais destacados é a discriminação contra as mulheres e o emprego da pena de morte.

Diante das críticas, o antigo rei Abdullah fez algumas reformas: ele indicou 30 mulheres para o Conselho Shura, seu maior órgão consultivo. Também foi permitido que mulheres votassem e apresentassem candidaturas nas eleições municipais de 2015.

As campanhas femininas, entretanto, enfrentaram dificuldades porque as mulheres da Arábia Saudita não podem dirigir a palavra diretamente para homens que não sejam seus parentes e podem conversar apenas com outras mulheres.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247