Argentina cria imposto para tornar compra de dólares mais complicada

Governo da Argentina criou um novo imposto de 35% para gastos em cartão de crédito com dólar, que incidirá sobre preços de produtos importados e compras em sites estrangeiros, incluindo serviços de streaming

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O governo da Argentina criou um novo imposto de 35% para gastos em cartão de crédito com dólar, que incidirá sobre preços de produtos importados e compras em sites estrangeiros, incluindo serviços de streaming, para endurecer ainda mais o controle sobre a moeda. A medida deve passar a valer a partir desta quarta-feira (16) e vai até 31 de dezembro deste ano. A informação é do jornal Folha de S. Paulo.

O objetivo é preservar as reservas do país latino-americano para destiná-las às “necessidades de produção, mas não continuar subsidiando as compras para poupança”. 

O diretor do Banco Central (BC) da Argentina, Miguel Pesce, há 12 semanas as reservas do país têm caído de forma contínua e elevada, acrescenta a reportagem. 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247