As ruas sangrentas do Egito

Não foi por falta de análises ou avisos. A tragédia pela qual o Egito está passando era esperada

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Não foi por falta de análises ou avisos. A tragédia pela qual o Egito está passando era esperada.

Até fechamento desse texto, ao menos 280 pessoas morreram – sendo 235 civis (dois jornalistas). Foi o dia mais violento do país desde a queda do faraó Mubarak, em 2011.

O depósito de pólvora explodiu quando forças de segurança foram desmontar acampamentos de membros da Irmandade Muçulmana (IM), grupo político do ex-presidente Mohamed Morsi, democraticamente eleito e que sofreu um golpe dos militares em 3 de julho.

Desde essa data, militantes da IM disseram que não deixariam as ruas até seu presidente voltar para a cadeira poderosa. As Forças Armadas não acreditaram. Deu no que deu.

Após a escalada de violência, o vice-presidente, o Nobel da Paz Mohamed El Baradei, renunciou. Baradei foi um dos grandes incentivadores da botinada militar que Morsi recebeu em julho. Ironia do destino.

O governo interino decretou estado de emergência, "a princípio", por um mês. Assim, estão proibidos protestos, assembleias populares e as comunicações sofrem interferência estatal. O Egito "viveu" assim de 1967 até 2012. Em janeiro de 2013, Morsi retomou brevemente esse status.

O toque de recolher também foi imposto. As ruas precisam ficar desertas das 7 da noite às 6 da manhã. Quem não cumprir será preso imediatamente.

Logo no início desta quarta, tratores e veículos blindados foram desmantelar os acampamentos do pessoal pró-Morsi. Em uma das empreitadas, perto da mesquita Kabaa al-Adawiya, no Cairo, a resistência dos manifestantes surpreendeu a polícia, que pediu ajuda aos militares. O circo de horror estava pronto para entrar em ação.

Dias atrás, o ministro da Informação do Egito falou que as tendas dos membros da IM eram uma "ameaça à segurança nacional e atrapalhavam o trânsito". Analistas apontaram que o quadro da terra dos faraós era diferente da Síria de Assad, o sanguinário. Isso já não pode ser dito depois desta trágica quarta.

Enquanto a IM não for chamada novamente à mesa de negociações, como adiantou este Planeta Política, a crise vai continuar. E pelo que vimos, ficará mais violenta.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email