Biden convoca nova Cúpula das Américas, mas não responde se Cuba, Venezuela e Nicarágua serão convidadas

Entre temas abordados estão transparência, corrupção, inclusão, equidade, sustentabilidade, “verde” o manejo “humanitário” da migração, a mudança climática

www.brasil247.com - Joe Biden
Joe Biden (Foto: Reprodução)


Em Diálogos do Sul, Opera Mundi - O lema da nova Cúpula das Américas, que se realizará em Los Angeles entre 6 e 10 de junho é “Construindo um futuro sustentável, resistente e equitativo” na qual o governo anfitrião de Joe Biden promoverá o combate à pandemia, uma recuperação “verde”, o manejo “integral” do fenômeno migratório e o consenso hemisférico sobre a democracia, informaram altos funcionários em Washington.

Esta será a nona cúpula, e a primeira desde a inaugural em Miami, em 1994, a realizar-se nos Estados Unidos. À anterior, em 2018, no Chile, o então presidente estadunidense Donald Trump não compareceu.

Ainda não está pronta a lista de convidados, mas altos funcionários indicaram em resposta se Cuba, Venezuela e Nicarágua estarão presentes, que só serão bem-vindos aqueles governos que “respeitam” os princípios democráticos, e que a lista final será elaborada em consulta com a Organização dos Estados Americanos (OEA).  

Com um assombroso vocabulário que inclui “princípios democráticos”, transparência, corrupção, inclusão, equidade, sustentabilidade, “verde” e esforços “integrais” e “regionais” sobre o manejo “humanitário” da migração, a mudança climática, os direitos humanos, o respeito a grupos marginais, indígenas e mulheres, entre outros temas e conceitos, um par de altos funcionários do governo de Biden tentaram estabelecer o marco da agenda para a próxima cúpula.

Sociedade civil e setor privado

Indicaram que não seria só um processo entre mandatários, mas também serão convocados a participar setores da sociedade civil e do setor privado.  

Recordaram que Biden sempre outorgou prioridade às relações com o hemisfério desde seus tempos como senador e depois vice-presidente, e que seu governo tem se dedicado a superar os danos causados às relações com a região durante a presidência de Trump. 

Ressaltaram que serão retomadas iniciativas regionais e bilaterais tanto dentro da América do Norte (o Diálogo Econômico e o Diálogo de Segurança com o México e a Cúpula de Líderes da América do Norte, como exemplos) como com Centro e Sul-América sobre vários temas, desde segurança a migração, governança democrática e outros mais.

Um alto funcionário do governo de Biden enfatizou os esforços para alcançar resoluções negociadas em crises como a do Haiti e da Venezuela e em torno a Cuba, onde o presidente estadunidense disse que tomou uma postura “dura com o regime, suave com o povo cubano”. 

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247