Biden deve priorizar reconstrução da Otan e conter a Rússia, diz Hillary Clinton

"Caso se torne o próximo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden precisa reconstruir as alianças dos EUA, especialmente com a Otan", disse a ex-candidata presidencial democrata, Hillary Clinton, nesta segunda-feira (17)

Pacote pró-imigrantes de Obama é bem recebido
Pacote pró-imigrantes de Obama é bem recebido (Foto: KEVIN LAMARQUE)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - Hillary Clinton fez a afirmação durante entrevista para o Conselho Atlântico, um think tank norte-americano voltado para o tema das Relações Exteriores. A ex-secretária de Estado dos EUA acrescentou ainda que a OTAN deve ser tratada como peça central da política externa dos EUA e fez apontamentos sobre diversos países, como Rússia, China, Irã, Israel e Palestina.

"A aliança transatlântica deve permanecer no centro da visão e dos objetivos da política externa norte-americana e espero que uma das primeiras coisas feitas internacionalmente por um novo governo seja reafirmar a centralidade dessa aliança atlântica", disse Clinton no discurso transmitido por redes sociais.

A democrata também afirmou que a OTAN é necessária para controlar as supostas ambições globais da Rússia, especialmente na Europa Oriental.

Em uma apresentação focada na corrida eleitoral, Clinton também expressou confiança de que Biden vencerá o atual presidente Donald Trump na eleição de 3 de novembro, chamando a disputa de um "momento de ajuste de contas" para os EUA. A democrata também defendeu o retorno às políticas defendidas durante o governo do ex-presidente Barack Obama.

Clinton ainda afirmou que os EUA precisam voltar imediatamente ao acordo nuclear com o Irã e reabrir o diálogo com Teerã, além de voltar ao acordo climático de Paris, engajar-se nos esforços de paz entre Israel e Palestina e retomar o financiamento para a Organização Mundial da Saúde (OMS). A ex-candidata à Presidência dos EUA também afirmou que o país deve deixar de lado a hostilidade contra a China.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247