Boris Johnson diz que não lamenta a morte do general Soleimani

O primeiro-ministro britânico apoiou o ataque dos EUA que resultou na morte do general iraniano Qasem Soleimani, insistindo na versão de que o militar e estrategista de alta patente era "uma ameaça".

(Foto: REUTERS/Peter Nicholls/Pool)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, por meio de comunicado divulgado no domingo (5), afirmou que o general iraniano Qasem Soleimani, que foi vítima de um ataque terrorista dos EUA, ordenado pelo presidente Donald Trump, era "uma ameaça a todos os nossos interesses" e o acusou de ser "responsável pela morte de milhares de civis inocentes e pessoal ocidental". 

Londres "não lamentará" seu assassinato, acrescentou. Johnson, que falou com o presidente dos EUA no domingo, pediu a todas as partes que ajudem a reduzir as tensões, porque "todos os pedidos de represálias e vinganças simplesmente causarão mais violência na região e não servirão a ninguém", informa o site iraniano HispanTV.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247