Brasil de Bolsonaro apoia proposta de fundamentalistas islâmicos de retirar tema da educação sexual da ONU

O Brasil votou a favor de uma proposta do governo do Paquistão e de outros países governados por fundamentalistas islâmicos, sugerindo retirar de uma resolução na ONU o termo "educação sexual" em projetos de combate à violência contra a mulher; o governo brasileiro mudou radicalmente sua postura na ONU, tentando vetar termos que eram consenso internacional por 25 anos

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Brasil votou a favor de uma proposta do governo do Paquistão e de outros países governados por fundamentalistas islâmicos, sugerindo retirar de uma resolução na ONU o termo "educação sexual" em projetos de combate à violência contra a mulher. A informação é do colunista inernacional Jamil Chade, no portal UOL. 

Nesta quinta-feira, depois de semanas de debates, as resoluções sobre como lidar com abusos foram à votação no Conselho de Direitos Humanos da ONU.

O jornalista informa que, nas últimas semanas, o governo brasileiro mudou radicalmente sua postura na ONU, tentando vetar termos que eram consenso internacional por 25 anos. Com base em avaliações religiosas, o Brasil passou a rejeitar termos como direitos sexuais, igualdade de gênero e outras palavras que possam contradizer a uma visão religiosa de reprodução, homens e mulheres.

Os pedidos brasileiros foram rejeitados pelos autores das propostas e o Itamaraty desistiu de se opor à resolução.

Ainda assim, a explicação do governo é de que o termo "gênero" não faz parte da Constituição, que apenas usa os termos "igualdade entre homens e mulheres". Quanto aos direitos sexuais, o temor é de que o termo abra brechas para uma avaliação positiva do aborto.

A reportagem ainda informa que um dos textos submetidos se referecia à violência contra a mulher. Ao explicar a resolução, o governo do México indicou que, entre os pontos fundamentais, os governos apontam que a liberdade das mulheres passa necessariamente por sua "liberdade sexual" e que sua proteção passava por garantir a educação sexual nas escolas. Também se estabelece que as mulheres tem o direito de "controlar e escolher sua sexualidade" e que "nenhuma autonomia física deve ser limitada".

O governo brasileiro optou pelo silêncio e não se opôs na hora da aprovação. Mas surpreendeu ao se aliar a alguns dos governos mais conservadores do mundo.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247