BRICS terá mais oportunidades e desafios, diz estudioso da FGV

Começa nesta quarta-feira (25) em Joanesburgo e vai até a sexta, a 10ª Cúpula do BRICS, que reúne Brasil, Rússia, Índi, China e África do Sul; Evandro Menezes de Carvalho, especialista em questões da China da Fundação Getúlio Vargas, considera em entrevista que o bloco terá mais oportunidades e desafios na próxima década

BRICS terá mais oportunidades e desafios, diz estudioso da FGV
BRICS terá mais oportunidades e desafios, diz estudioso da FGV (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247, por Virgília Han e Joaquina Hou - A 10ª Cúpula do BRICS será realizada entre os dias 25 e 27 de julho, em Joanesburgo, na África do Sul. Evandro Menezes de Carvalho, especialista em questões da China da Fundação Getúlio Vargas, considera que o BRICS terá mais oportunidades e desafios na próxima década.

Ele salientou que os países membros do BRICS devem estreitar os laços bilaterais, enfrentar juntos as dificuldades e criar novos resultados. Segundo Carvalho, a cada ano, a Cúpula propõe temas significativos. Um exemplo é a Cúpula em Xiamen, no ano passado, na qual o governo chinês apresentou o mecanismo BRICS Plus, visando ampliar a círculo de amigos dos países do BRICS.

"Para este ano, a proposta do governo sul-africano consiste em estabelecer um grupo do trabalho sobre manutenção da paz. Este é um tema importante no momento em que o mundo vive uma instabilidade também política, conflitos, o problema das imigrações decorrentes desses conflitos internacionais, os movimentos extremistas, os movimentos separatistas. Então essa agenda hoje é crucial. Uma outra proposta é a criação de um centro de pesquisa em vacinas. Esse é um tema também interessante porque sobretudo com a mudança climática, doenças que já tinha desaparecido voltam a aparecer. Além de novas doenças, decorrentes não só disso, mas também por exemplo, pelo uso excessivo de agrotóxicos. Isso também tem gerado consequências negativas à saúde, que podem ter repercussões, como caso, no Brasil, o Zika vírus."

Carvalho ainda assinalou que o governo sul-africano vai focar na construção de uma plataforma para as mulheres, aumentando o nível de participação feminina em áreas como economia, política e vida social. Dessa forma as mulheres vão desempenhar completamente seus papéis no desenvolvimento da sociedade. Isso vai combater a discriminação sexual e criar impactos positivos. Além disso, o BRICS impulsionará a estratégia da Quarta Revolução Industrial e as cooperações turísticas.

Falando dos desafios na área da segurança, Carvalho considera que o problema existe nas áreas de comércio e de sociedade.

"A segurança é tema bastante amplo. Ela pode envolver essa questão de segurança econômica e comercial. Mas a segurança é mesmo o ponto de vista de evitar os conflitos. Toda situação de crise econômica tem uma consequência, que é o aumento da instabilidade social. E essa instabilidade por conta do aumento do desemprego, da redução das condições de vidas vai gerando tensão. E até mesmo vai gerar conflitos maiores entre nações também motivados pela busca de recursos. Então o tema da segurança é essencial, porque a instabilidade internacional, vai afetar a própria dinâmica do mundo, do comércio internacional e as relações entre os países. "
A China e o Brasil, maiores países em desenvolvimento na Ásia e na América Latina, mantêm bons intercâmbios nas áreas política, econômica e cultural. Carvalho espera que os dois países possam desenvolver cooperações profundas na área de tecnologia.
"Obviamente, o Brasil é uma potência agrícola, tem bastantes recursos naturais. É o dado na natureza combinado com o desenvolvimento de tecnologia voltada para esses setores. Mas o Brasil precisa avançar ainda muito no que diz respeito por exemplo à Quarta Revolução Industrial, poder fazer parte desse movimento, o país não deve perder esse novo momento da revolução tecnológica. O Brasil poderia intensificar mais a sua cooperação, sobretudo, com países como a China, que tem feito um bom trabalho nessa área e a Rússia também. Acho que o Brasil precisa evoluir nessa área, avançar, ter mais investimentos, ampliar sua cooperação na área tecnológica."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247