Capitulada ao FMI, Argentina começa sua saga antissoberania

O presidente argentino Mauricio Macri forçou a demissão de seu presidente do Banco Central, Federico Sturzenegger, com quem tinha diferenças; Sturzenegger defendia uma política gradualista mais acelerada. Agora, será Luis Caputo, até então ministro das Finanças, quem assumirá seu posto

Mauricio Macri
Mauricio Macri (Foto: Gustavo Conde)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O presidente argentino Mauricio Macri forçou a demissão de seu presidente do Banco Central, Federico Sturzenegger, com quem tinha diferenças. Sturzenegger defendia uma política gradualista mais acelerada. Agora, será Luis Caputo, até então ministro das Finanças, quem assumirá seu posto.

“Num dia agitado para o governo argentino, em que foram anunciadas as medidas para ajustar-se ao acordo com o FMI (Fundo Monetário Institucional), o presidente Mauricio Macri também promoveu uma dança das cadeiras em sua equipe econômica. Há duas semanas, Macri já havia decidido que o ministro da Fazenda, Nicolás Dujovne, chefiaria a equipe econômica —algo que era um tabu desde a saída do ex-ministro Prat-Gay, quando Macri afirmou querer um time em que “todos trabalhassem em equipe e não houvesse um super-ministro”. Durou pouco mais de um ano, e Dujovne se transformou nesse super-ministro.

Nesta quinta-feira (14), foi a vez de desbancar o então presidente do Banco Central, Federico Sturzenegger, com quem Macri tinha diferenças. Sturzenegger defendia uma política gradualista mais acelerada. Agora, será Luis Caputo, até então ministro das Finanças, quem assumirá seu posto. Em publicação no Twitter, Sturzenegger disse que foi uma honra servir o governo argentino nos últimos dez anos, agradeceu toda sua equipe e citou a crise que o país atravessa para justificar sua renúncia: "Nos últimos meses diversos fatores deterioraram minha credibilidade, como presidente do Banco Central, atributo fundamental para levar adiante a coordenação de expectativas tão importantes na tarefa a mim confiada, motivo pelo qual hoje apresento minha renúncia, indeclinável, ao cargo."

Leia mais aqui.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email