Carlos Ghosn diz que organizou fuga do Japão sozinho

Ex-executivo brasileiro informou em nota que a família não fez parte da articulação de seu plano de fuga para o Líbano. O país recebeu ordem de prisão da Interpol

Carlos Ghosn
Carlos Ghosn (Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O brasileiro Carlos Ghosn, ex-presidente da Renault-Nissan, informou nesta quinta-feira 2 ter organizado sozinho sua fuga do Japão para o Líbano, sem participação da sua família.

"Houve especulações na mídia de que minha esposa, Carole, e outros membros da minha família participaram da minha saída do Japão. Todas essas especulações são imprecisas e falsas", disse ele em um comunicado. "Só eu arranjei minha partida. Minha família não teve nenhum papel", acrescentou.

O Líbano anunciou também nesta quinta ter recebido um pedido de prisão da Interpol contra Ghosn. "O Ministério Público (...) recebeu um aviso vermelho da Interpol sobre o caso Carlos Ghosn", disse o ministro da Justiça libanês Albert Sarhane, citado pela agência de notícias oficial ANI.

Leia mais na reportagem da agência japonesa NHK, reproduzida pela Agência Brasil:

Promotores realizam buscas na residência de Carlos Ghosn

Ex-executivo da Nissan usou passaporte francês para deixar Japão


Promotores japoneses iniciaram buscas na residência onde o ex-presidente do conselho de administração da Nissan Motor, Carlos Ghosn, morava, em Tóquio, quando estava solto sob fiança.

A promotoria realizou buscas na residência no distrito de Minato na quinta-feira diante da suspeita de que Ghosn tenha deixado o Japão por meios ilegais.

O banco de dados da Agência do Serviço de Imigração não tem registro da partida de Ghosn do Japão.

A promotoria e a polícia estão buscando detalhes de como o executivo escapou do país.

Agências de notícias internacionais disseram que o advogado de Ghosn anunciou uma coletiva de imprensa a ser concedida no próximo dia 8, em Beirute.

As atenções estão voltadas para a possibilidade de Ghosn explicar como escapou enquanto estava solto sob fiança sem ser detectado pela imigração e outras autoridades.

Passaportes

A NHK apurou que Ghosn possui dois passaportes franceses, tendo recebido permissão de um tribunal japonês para que mantivesse um deles em uma caixa trancada.

O executivo partiu do Japão clandestinamente enquanto estava em liberdade sob fiança e chegou no Líbano na segunda-feira (30). De acordo com autoridades libanesas, um homem que acredita-se ser Ghosn mostrou um passaporte francês com o nome dele ao entrar no país.

Carlos Ghosn foi denunciado por suspeita de irregularidades financeiras no Japão. Ao ser libertado sob fiança, em abril, os advogados do executivo foram obrigados a reter os passaportes dele.

Os advogados ficaram de posse dos passaportes de Ghosn, emitidos por França, Brasil e Líbano, conforme estipulado nas condições de liberdade provisória.

Segundo fontes, a França havia emitido dois passaportes para o executivo por algum motivo e, inicialmente, os advogados estiveram de posse dos documentos.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247