China denuncia relatório do Conselho de Direitos Humanos da ONU sobre Xinjiang

"Uma colcha de retalhos de desinformação, instrumento político dos EUA e outras forças ocidentais"

www.brasil247.com - Templo religioso em Xinjiang
Templo religioso em Xinjiang (Foto: Mídia chinesa)


247 com Global Times - A chancelaria da China denunciou nesta quinta-feira o relatório de direitos humanos da ONU sobre a região chinesa de Xinjiang, classificando-o como completamente inválido e um instrumento político a serviço dos Estados Unidos e algumas outras forças ocidentais no esforço para conter a China. 

>>> Porta-voz chinês rebate relatório sobre Xinjiang: ONU é cúmplice dos EUA no ataque aos países em desenvolvimento

Em resposta à chamada "avaliação das preocupações com os direitos humanos" em Xinjiang, na China, divulgada pelo Alto Comissariado na quarta-feira, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, disse em entrevista coletiva que o documento é uma colcha de retalhos de desinformação e um problema político, um instrumento que serve aos EUA e algumas forças ocidentais para conter a China usando o tópico Xinjiang. 

Tal "relatório" viola gravemente o mandato do Alto Comissariado, infringindo os princípios políticos e objetivos. Mais uma vez provou que o Escritório do Alto Comissariado para os Direitos Humanos se tornou um executor e cúmplice dos EUA e de algumas forças ocidentais contra os países em desenvolvimento, disse Wang Wenbin. 

Xinjiang, de expressiva população muçulaman, é um dos principais focos da propaganda anti-China, mobilizada pelos EUA com o objetivo de excluir a região da cadeia de produção global, desestabilizar a gestão do PCCh e, segundo alguns analistas, fomentar o separatismo e conflitos étnicos.

O porta-voz observou que o relatório não se atreveu a exagerar tópicos infundados sobre "genocídio", "trabalho forçado" ou "esterilização forçada" - que foram anteriormente divulgados pelos EUA e algumas forças ocidentais. Wang Wenbin disse que isso também mostrou que a mentira do século feita pelos EUA e algumas forças ocidentais sobre Xinjiang, na China, faliu. 

O relatório de Michele Bachelet minimiza o quanto a região de Xinjiang sofreu com o terrorismo e o extremismo islâmico. Qualquer governo do mundo deve assumir a responsabilidade na luta contra o terrorismo para proteger os moradores locais, disse ao jornal Global Times Wang Jiang, especialista do Instituto de Estudos de Fronteiras da China na Universidade Normal de Zhejiang. 

Além disso, o relatório foi baseado em depoimentos de apenas 40 entrevistados. Wang Jiang disse que um número tão pequeno não é suficiente para ser usado como amostra para tirar uma conclusão séria contra um país em direitos humanos, e as identidades desses entrevistados permanecem questionáveis, dadas as falsas acusações anteriores feitas pelas chamadas vítimas.

O Ministério das Relações Exteriores da China e o governo regional de Xinjiang expuseram muitos mentirosos que frequentemente apareciam na mídia ocidental como "vítimas" da região de Xinjiang. O Congresso Mundial Uigur, apoiado pelos EUA, e outras forças anti-China também foram encontradas ocupadas em fabricar histórias sensacionalistas das chamadas vítimas, que mais tarde foram consideradas contraditórias e cheias de lacunas. 

Wang Jiang também apontou que as palavras "provável" ou "altamente provável" ou "pode" foram frequentemente usadas na "avaliação". Essa linguagem dúbia não é apropriada em um relatório de uma organização da ONU para acusar um país soberano, e também deve saber que a mídia ocidental transformará "altamente provável" em "certamente" em suas reportagens, e realmente o fez.

Sem pesquisas sólidas, tal "relatório" feito pelo Escritório do Alto Comissariado para os Direitos Humanos é altamente irresponsável, disseram analistas, observando que também é outro exemplo vívido de como o órgão foi manipulado pelos EUA e algumas forças ocidentais para atacar outros países. 

Os moradores de Xinjiang têm a palavra final sobre a situação dos direitos humanos. A região de Xinjiang tem desfrutado de progressos econômicos, com os moradores locais vivendo uma vida feliz e estável nos últimos anos. Alguns moradores da região de Xinjiang, figuras religiosas e ex-estagiários dos centros vocacionais e de treinamento de Xinjiang enviaram uma carta ao Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos para compartilhar suas próprias histórias, disse Wang Wenbin nesta quinta-feira.

Diplomatas estrangeiros e visitantes que estiveram na região de Xinjiang também apontaram que o verdadeiro Xinjiang é o oposto do que a mídia ocidental descreveu. Mais de 60 países também enviaram cartas ao alto comissário da ONU para se opor à divulgação do relatório falso, disse Wang Wenbin.

>>> Diplomatas de 30 países islâmicos visitam Xinjiang, testemunham harmonia religiosa

Wang Wenbin também observou que quase 100 países, incluindo muitos países muçulmanos, também expressaram seu apoio à China em sua posição sobre os assuntos de Xinjiang, opondo-se ao uso do tópico da região de Xinjiang para interferir nos assuntos internos da China - esta é a corrente principal do debate na comunidade internacional. 

O esquema político vicioso dos EUA e de algumas forças ocidentais para conter a China usando o tópico de Xinjiang está fadado ao fracasso. 

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247