China diz que EUA devem frear sua “aventura militar no Oriente Médio" após ataque ao Irã

Entre as grandes potências do planeta, a que mais tardou em expressar uma posição mais contundente sobre o tema foi a China, que declarou que "Estados Unidos e demais partes interessadas devem exercer a moderação"

Geng Shuang e Donald Trump
Geng Shuang e Donald Trump (Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247, com Revista Fórum - O ataque norte-americano ao Irã, encomendado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e que assassinou o general iraniano Qassem Soleimani continua repercutindo na política internacional. 

A China, uma das grandes potências do planeta, recomendou que os EUA parem com sua "aventura militar no Oriente Médio". Embora tenha condenado a ação desde o primeiro dia, o país evitou criticar mais fortemente os Estados Unidos, como fez nesta segunda-feira (6), através de um comunicado no qual afirma esperar “que os Estados Unidos saibam frear essa aventura militar no Oriente Médio, para evitar uma escalada de tensão nessa região.

A declaração foi difundida por Geng Shuang, porta-voz do Ministério de Assuntos Exteriores da China, que completou dizendo que o país solicita que “os Estados Unidos e demais partes interessadas devem exercer a moderação, com o fim de prevenir uma maior confrontação, e em vez disso, podem tomar medidas para restabelecer um diálogo, que permita reduzir as contradições”.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247