China diz que nenhuma força externa tem o direito de perturbar Hong Kong

O Ministério das Relações Exteriores da China refutou na terça-feira (23) as recentes observações feitas por algumas autoridades do Reino Unido e dos Estados Unidos sobre a Região Administrativa Especial de Hong Kong (RAEHK), dizendo que o governo chinês não permite em absoluto que as forças externas interfiram nos assuntos de Hong Kong ou perturbem a região administrativa especial

(Foto: Xinhua)

Xinhua - O ministro de Estado do Reino Unido no Oriente Médio descreveu as cenas violentas em Hong Kong como "inaceitáveis" e pediu que o governo da RAEHK realize uma investigação completa e independente. O Departamento de Estado dos EUA solicitou ao governo da RAEHK que respeitasse a liberdade de expressão e de assembleia.

Quando solicitada a comentar sobre estas observações, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Hua Chunying, disse numa coletiva de imprensa que o Departamento dos Assuntos de Hong Kong e Macau do Conselho de Estado, o Gabinete de Ligação do Governo Popular Central na RAEHK e o governo da RAEHK já deram respostas claras aos recentes incidentes violentos em Hong Kong.

Em resposta aos comentários do funcionário norte-americano, Hua apontou que o que aconteceu recentemente em Hong Kong "não teve nada a ver com a liberdade de expressão e assembleia".

São comportamentos radicais e violentos que violam a lei, que prejudicam diretamente os fundamentos do Estado de Direito em Hong Kong, contrariam a Lei Básica e as leis locais de Hong Kong, e desafiam seriamente a linha limite do princípio "um país, dois sistemas", disse Hua.

Segundo Hua, "o governo central apoia o governo da RAEHK em sua administração eficaz de acordo com a lei, bem como a polícia em punir os incitadores de tal violência ilegal para salvaguardar a estabilidade social em Hong Kong".

Hua disse que há sinais claros de manipulação, conspiração e até mesmo influência estrangeira nos incidentes violentos relevantes, julgando pelo que foi relatado pela mídia. "O lado norte-americano poderia responder a essa pergunta de forma honesta e clara sobre que papel os EUA desempenharam nos recentes incidentes em Hong Kong e qual é seu objetivo por trás disso?" - perguntou Hua.

Ela pediu que os EUA pelo menos saibam de uma coisa, que Hong Kong pertence à China e que o governo chinês não permite que nenhuma força estrangeira interfira nos assuntos de Hong Kong, nem permitirá que qualquer força estrangeira atrapalhe Hong Kong.

Em relação aos comentários do funcionário britânico, Hua disse que desde o retorno de Hong Kong à pátria, a política "um país, dois sistemas" foi implementada suavemente.

"Os residentes de Hong Kong desfrutam atualmente de direitos e liberdade sem precedentes", disse a porta-voz, acrescentando que o Reino Unido tem comentado muito sobre os direitos e a liberdade em Hong Kong. No entanto, sem a segurança e estabilidade, de onde vêm os direitos e a liberdade?

Hua mencionou que as pessoas de todas as esferas em Hong Kong realizaram recentemente assembleias pacíficas com o tema "Salvaguardar Hong Kong" para condenar os comportamentos violentos da oposição que dividiram a sociedade, o que mostrou que a maioria dos residentes de Hong Kong tem uma compreensão sóbria do dano e a natureza dos comportamentos ilegais violentos de um pequeno número de radicais, querendo unir esforços para proteger Hong Kong.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247